Saúde

Confira as especialidades no mês de junho da Clínica Clinenfsj

Estão abertas as pré matriculas dos cursos na Escola de Enfermagem São José

Saúde Paiva Filho 02 de junho de 2016 12:37h

      Psicóloga

Terças – feiras – 08:00 hrs

  • Ultrassonografia 
Quintas-feiras - 14:00 hrs
  • Ortopedista

Dia 29/04 às 7:00 hrs

  • Clínico – geral e Gastro

quinta-feira 14:00 hrs

  • Cardiologia e Clínico

Sábado 08:00 hrs

  • Clínico-geral e Pediatria

Sextas-feiras manhã e tarde

7 às 12 / 13 às 16

  • Neurologia

Dia 29 de Abril 8:00 hrs

  • Exames laboratoriais:

De segunda à sábado

  • Eletrocardiograma
  • Ecocardiograma
  • Citologia
  • Pequenas cirurgias

segunda-feira 11:00 hrs

Lembrando ainda que estão abertas as pré matriculas dos cursos na Escola de Enfermagem São José:

  • Técnico de Enfermagem
  • Técnico em saúde bucal e outros
Estamos localizados na Av. Tomaz Rebelo nº 555, próximo a Pão Mel centro de Piripiri. Fones: (86) 9988 0174/9408 0193. A clinica tem como diretor geral Dr. Espedito Pacífico.


Os condutores de veículos de urgência do Hospital Regional Chagas Rodrigues, de Piripiri, e outros condutores que trabalham na rede estadual de saúde, participaram de treinamento no CENTEC (Centro de Educação Técnica) visando qualificar, treinar, instruir e atualizar estes profissionais, buscando mais profissionalismo e a oferta de melhores serviços para a comunidade.

A Diretora do Hospital Regional Chagas Rodrigues, Nádia Costa, destacou a importância da participação dos motoristas para um melhor atendimento à comunidade. 

O curso tem carga horária de 50 horas e foi criado pela Resolução CONTRAN nº. 168. Ao final do curso os motoristas estarão capacitados a dar mais segurança na condução dos veículos de socorro dentro da cidade, além de oferecer melhor atendimento.

Além de Piripiri participaram do curso condutores de Campo Maior, Nossa Senhora de Nazaré, Jatobá do Piauí e condutores do Instituto do Rim.


Os alunos do curso de Fisioterapia da Chrisfapi visitaram na última quinta-feira (12 de maio) o Centro Integrado de Reabilitação - CEIR, sendo a mesma uma atividade interdisciplinar entre as disciplinas Próteses, Órteses e Recursos Terapêuticos Aquáticos.

Durante a atividade os alunos tiveram a oportunidade de conhecer a oficina de prótese e órteses, o setor de hidroterapia, bem como os diversos serviços prestados pelo CEIR.

A visita foi supervisionada pela Profª. Tásia Peixoto e pelo Prof. Gabriel Mauriz. Segundo os docentes a atividade foi importante, pois o CEIR é um centro de saúde que agrega muitas especialidades, bem como possibilita a divulgação de um serviço de referência na área da reabilitação e inclusão social.

Faculdade Chrisfapi

O caminho certo para seu futuro!


Mesmo sem testes, Justiça autoriza venda de 'pílula do câncer' por R$ 6

A substância não passou por testes em humanos e não tem eficácia comprovada

Saúde Redação Piripiri 09 de maio de 2016 11:42h

Mesmo antes do início dos testes clínicos em humanos, a chamada "pílula do câncer" pode começar a ser distribuída pelo único laboratório autorizado a produzir a substância no país, pelo valor de R$ 6 cada cápsula. Desenvolvida no campus de São Carlos para o tratamento de tumor maligno, a substância é apontada como possível cura para diferentes tipos de câncer, mas não passou por esses testes em humanos e não tem eficácia comprovada, por isso não é considerada um remédio. Ela não tem registro na Anvisa e seus efeitos nos pacientes ainda são desconhecidos.

O "preço" teria sido calculado pela própria PDT Pharma, com sede em Cravinhos (SP), ao ser questionado pela Justiça local sobre a possibilidade de fornecer a fosfoetanolamina sintética mediante ordens judiciais.

Ao menos 12 liminares já obrigam o laboratório a fornecer as cápsulas aos pacientes com câncer em 30 dias, como afirmou o diretor da PDT Pharma, Sérgio Perussi. Até esta segunda-feira (9), outras 275 ações tramitavam na Justiça de São Paulo com o mesmo teor.

Perussi disse que têm condições técnicas de produzir as pílulas, mas nega poder cumprir as sentenças porque depende de autorização dos detentores da patente e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para comercializar a substância. Até agora, o laboratório recebeu permissão somente para produzir o princípio ativo e entregá-lo à Fundação para o Remédio Popular (Furp), que deve encapsular a substância e repassar ao Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

O Icesp, por sua vez, será responsável pela distribuição das pílulas aos hospitais que farão o estudo clínico pelos próximos seis meses. O primeiro lote com 35 quilos da fosfoetanolamina já foi entregue à Furp e deve se transformar em 70 mil cápsulas.

Laboratório definiu preço

Em liminar concedida em 2 de maio, o juiz Luiz Cláudio Sartorelli explica que ele e o juiz Eduardo Alexandre Abrahão, da 2ª Vara de Cravinhos, se reuniram com o diretor da PDT Pharma para discutir da possibilidade de o laboratório fornecer a fosfoetanolamina sintética mediante possíveis ordens judiciais.

O encontro ocorreu em 20 de abril e, de acordo com o juiz, Sérgio Perussi confirmou que poderia atender aos pedidos, desde que no prazo de 30 dias, uma vez que precisaria ampliar a produção e providenciar as cápsulas para armazenar a substância - atualmente, essa etapa é realizada pela Furp.

"Discutiu-se o custo de cada unidade e o representante da empresa estimou em R$ 6, por conta dos investimentos que se farão necessários para atender as ordens judiciais", afirma Sartorelli na sentença. A partir da reunião, liminares passaram a ser concedidas pela Justiça local, destacando que os pacientes devem realizar depósito antecipado do valor referente à quantidade de pílulas que deseja adquirir - a dosagem fica a critério do paciente ou do médico que o acompanha.

Falta autorização

O diretor do laboratório PDT Pharma afirmou que tem condições de produzir as pílulas de fosfoetanolamina, mas, para isso, precisa adequar as instalações da empresa, uma vez que trabalha somente com princípios ativos, e não medicamentos.

"Vamos explicar ao meritíssimo juiz, como foi durante a minha conversa com ele, que nós temos restrições. Nós temos condições de escalonar a produção para atender uma demanda maior, mas não sei dizer se atenderíamos uma demanda nacional na sua totalidade", disse.

Ainda segundo Perussi, a "venda" das pílulas depende também de autorização da Anvisa e dos detentores da patente, no caso o químico Gilberto Chierice, pesquisador que desenvolveu a chamada "pílula do câncer" nos laboratórios da USP em São Carlos (SP).

"O que eles nos deram até agora foi autorização para produção e destinação à Furp para fazer o estudo clínico. Nós não produzimos o medicamento, não embalamos, não temos autorização da Anvisa para fazer isso", justificou.

O caso

Os primeiros relatórios sobre as pesquisas financiadas pelo governo federal apontaram que as cápsulas têm concentração de fosfoetanolamina menor do que o esperado e que somente um dos componentes na pílula – a monoetanolamina – apresentou atividade citotóxica e antiproliferativa, ou seja, capacidade de destruir células tumorais e inibir seu crescimento.

Em 13 de abril, a presidente Dilma Rousseff sancionou a lei n.º 13.269 que autorizou o uso da fosfoetanolamina sintética por pacientes com tumores malignos. A determinação afirma que poderão fazer uso da substância, por livre escolha, aqueles que possuam laudo médico comprovando o diagnóstico, e que assinem um termo de consentimento e responsabilidade.

A substância estava sendo fornecida pela USP por meio de liminares na Justiça. No início de abril, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, determinou que a universidade forneceria somente "enquanto remanescer o estoque" do composto. Logo depois, a USP fechou o laboratório que produzia as pílulas, dizendo que não produziria mais porque não é dona da patente e não é uma indústria para produção em larga escala.

Com informações do G1.com

Entenda!

A Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC) representa o conjunto de sinais e sintomas decorrentes do mal funcionamento do coração, quando este não está sendo capaz de bombear o sangue em direção aos órgãos e suprir a necessidade de oxigênio e nutrientes do organismo.

O primeiro sintoma da insuficiência cardíaca congestiva pode ser simplesmente o cansaço. Com o avanço da doença, pode haver dificuldades para respirar durante os esforços, e eventualmente durante o repouso, podendo tornar-se ofegante.

Com a evolução da doença pode haver acúmulo de líquidos (principalmente sangue) nos pulmões, os pacientes com insuficiência cardíaca podem começar a dormir amparado por travesseiros mais altos para tornar a respiração mais fácil. Os líquidos também podem se acumular nas pernas e tornozelos, levando ao edema (inchaço).

Nesse sentido, o fisioterapeuta exerce um papel primordial na Fisioterapia em Reabilitação Cardíaca. Em um primeiro momento, ele analisa as capacidades e limitações do paciente, sempre com base na avaliação funcional e clínica, e, assim, desenvolve um plano de tratamento.

Os exercícios realizados na Reabilitação Cardíaca envolve exercícios para melhorar a função cardiorrespiratória. O objetivo é melhorar o condicionamento aeróbico e resistência à atividades físicas. Desta forma melhorar a capacidade de mobilidade e a condição física, social e mental das pessoas, tornando-as capazes de retomar suas atividades diárias.

O atendimento ocorre de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 13h, devendo os pacientes estarem munidos do encaminhamento médico e exames realizados.

 Informações: Clínica escola Chrisfapi, rua Acelino Rezende, 132 – bairro Fonte dos Matos, Piripiri, tel. (86) 99947-6460 (TIM).


Piauí já notificou 154 casos de microcefalia, diz Ministério da Saúde

Dados são do boletim divulgado pelo Ministério na última terça-feira (12).

Saúde Redação Piripiri 14 de abril de 2016 10:04h

Até o dia 9 de abril foram confirmados 72 casos de microcefalia e outros 25 continuam em investigação no Piauí. Ao total, o estado já notificou a existência de 154 casos. Os dados são do último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde na terça-feira (12).

No último boletim epidemiológico divulgado há 14 dias, o Piauí tinha confirmado 64 casos da doença. Além disso, outros 47 casos estavam sob investigação.

Segundo este novo levantamento, no Brasil foram confirmados 1.113 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita. Outros 3.836 estão em fase de investigação.

Os 1.113 casos confirmados ocorreram em 416 municípios, localizados em 22 unidades da federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

Já os 2.066 casos foram descartados por apresentarem exames normais, ou apresentarem microcefalias e/ou alterações no sistema nervoso central por causas não infeciosas.

G1.com/Piauí

O Laboratório PREVLAB, situado na Av. Tomaz Rebelo, 801 – Piripiri(PI), além de realizar exames laboratoriais com precisão e qualidade, para maior comodidade, oferece atendimento com especialistas nas seguintes áreas:

Dra. Márcia Rebêlo - Farmacêutica Bioquímica

Dr. Carlos Braga - Clínico Geral

Dra. Liliane Isaías - Clínico Geral

Dr. Vinicius Amado - Clínico Geral

Dr. Marcelo Matos - Psicólogo

Dra. Flávia Medeiros  - Fisioterapia-Pilates

Dra. Anna Ezilda - Nutricionista

Marque sua consulta pelo telefone: (86) 3276-2388 ou pelo site: www.laboratorioprevlab.com.br


Pesquisa descobre que a muriçoca pode também ser capaz de transmitir zika

O estudo reuniu mais de 300 especialistas no assunto.

Saúde Redação Piripiri 03 de maro de 2016 09:58h

O Aedes aegypti pode não ser o único vilão da epidemia de zika. Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz de Pernambuco, divulgada nesta quarta-feira, em Recife, constatou que os mosquitos da espécie Culex, os onipresentes pernilongos, são capazes de abrigar o vírus, encontrado também na glândula salivar dos insetos, aumentando a preocupação de que eles também possam transmitir a doença pela picada. A bióloga Constância Ayres, que está à frente do trabalho, chegou a essa conclusão depois de infectar em laboratório 200 Culex, os mosquitos mais disseminados em todo o Brasil e com uma população 20 vezes superior à do Aedes. Ela ressalta, no entanto, que ainda é cedo para afirmar que essa espécie possa infectar humanos. Segundo a pesquisadora, que é também vice-diretora de Ensino e Incentivo à Pesquisa da Fiocruz de Pernambuco, ainda são necessários mais estudos.

Para os pesquisadores, os Culex em circulação podem não estar contaminados. Segundo eles, ficou comprovada pelas experiências realizadas em laboratório apenas a capacidade vetorial do pernilongo, o que por si só já é preocupante.

A pesquisa foi divulgada durante o seminário “A, B, C, D, E do vírus zika”, que reuniu mais de 300 especialistas no assunto.

ESTUDO DE CAMPO AINDA SERÁ REALIZADO

Para descobrir se os Culex transmitem zika — o que poderia ajudar a explicar a rapidez com que a doença se propagou no Brasil —, é preciso ainda fazer uma pesquisa de campo, segundo Constância. Ela pretende, na segunda fase do estudo, coletar cerca de dez mil mosquitos (Aedes aegypti e Culex) em bairros com a maior incidência de zika em diversos municípios de Pernambuco, para verificar se eles estão infectados.

— Nas casas onde acontecem registros de casos de zika, estão sendo coletados mosquitos das duas espécies. Esse material vai para o laboratório, e fazemos testes moleculares para detectar o vírus. Com uma grande quantidade de amostras, poderemos saber se o Aedes é o vetor exclusivo, se existem outros vetores e qual a importância de cada um no papel da transmissão — afirmou Constância ao site G1.

Segundo a pesquisadora, serão necessários de seis a oito meses para o estudo chegar a uma conclusão, mas os dados preliminares já alarmam especialistas em todo o Brasil. Frisando que não conhece a pesquisa da Fiocruz de Pernambuco, Celso Ramos Filho, infectologista da UFRJ, diz que os brasileiros terão que enfrentar um grande problema se ficar comprovado que o Culex pode transmitir o zika.

— Ele (o Culex) existe em muito maior número que o Aedes. Quando uma pessoa vê um mosquito voando dentro de casa, é muito mais provável que seja um Culex do que um Aedes aegypit. Se ele realmente transmitir o vírus zika, não é uma boa notícia. O Culex é um mosquito que põe ovos em qualquer água, ao contrário do Aedes, que prefere a limpa.

Professor da UFRJ, o também infectologista Edmilson Migowski reagiu com preocupação aos dados preliminares da Fiocruz de Pernambuco. Segundo ele, um pernilongo ser encontrado com vírus zika é uma situação que pode acontecer, caso o mosquito pique uma pessoa com a doença. O difícil, diz ele, seria que o vírus se replicasse e atingisse a glândula salivar do Culex, justamente o que aconteceu no laboratório em Recife.

— Se está na glândula salivar, é porque o mosquito foi capaz de replicar o vírus. Se a pesquisadora tivesse apenas achado no tubo digestivo do Culex, seria indício de que ele tinha picado alguém infectado com a zika e ficado com o vírus no organismo por algumas horas. Mas, se passou para a glândula salivar, é outra história e bem preocupante.

Migowski lembra que o pernilongo é um mosquito de hábitos noturnos. Como o Aedes pica somente durante o dia, caso fique provada a capacidade de transmissão do pernilongo, isso significa que as pessoas estão correndo risco 24 horas por dia.

— Se isso ficar comprovado, não vai ter nem hora nem lugar a salvo — lamenta.

O pesquisador Davis Ferreira, vice-diretor do Departamento de Virologia da UFRJ, está ansioso para ver os resultados de Pernambuco. Há cerca de cinco meses, ele vem analisando mosquitos coletados na natureza, no Rio, sempre em duas áreas: as que têm Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e onde serão realizadas competições dos Jogos Olímpicos. Ferreira calcula que, até agora, tenha coletado cerca de 600 mosquitos Culex. Nenhum deles estava infectado com o zika.

— Nunca encontrei Culex com zika, dengue ou chicungunha na natureza. Quando se acha um mosquito com dengue, é porque ele acabou de picar alguém infectado. Mas o fato de a gente não ter encontrado não significa que não haja. Pode ter escapado. Se ficar comprovado que o Culex transmite zika, todos terão que tomar mais cuidado. O Culex é menos seletivo quanto ao lugar em que põe ovos. Escolhe água de esgoto, qualquer lugar. Precisará haver mais atenção para o saneamento básico — diz.

MINISTÉRIO DIZ QUE É PRECISO PESQUISAR MAIS

O Ministério da Saúde comentou ontem a descoberta da Fiocruz. Em entrevista à Rede Globo, Claudio Maierovitch, diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do órgão, disse que os primeiros resultados da pesquisa mostram ser possível que os mosquitos comuns abriguem o vírus zika, mas que isso ainda não muda as estratégias de combate à doença:

— Por enquanto, isso não tem significado prático. Precisa estudar mais. Eles não foram retirados do ambiente com vírus, foram infectados intencionalmente, e o zika foi capaz de sobreviver no organismo desses mosquitos.

Segundo ele, o grande vetor da doença ainda é o Aedes.

— O esforço para ser feito é reduzir a população de Aedes. Se houver novidades pela frente, teremos que agregar novos fatores às estratégias de combate.. 

PACIENTES COM GUILLAIN-BARRÉ TERAO 20 LEITOS

O Estado do Rio terá uma unidade especial para atender pacientes diagnosticados com a síndrome de Guillain-Barré, doença neurológica que provoca fraqueza muscular. Serão pelo menos 20 leitos de internação. A unidade servirá de referência para exames, inclusive a eletroneuromiografia, que ajuda a avaliar os danos provocados pela enfermidade. A informação foi dada ontem pelo secretário estadual de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Júnior.

Pesquisadores têm encontrado evidências de que a síndrome pode ser uma das complicações causadas pelo vírus zika, mas ainda não há estudos conclusivos.

— A expectativa é termos esses leitos disponíveis em até dez dias. O mais provável é que a unidade funcione no Hospital da Lagoa ou no Hospital Antônio Pedro (Niterói) — disse o secretário de Saúde.

Fonte: O Globo


Aborto é reprovado pela maioria dos brasileiros,mesmo com microcefalia

Apesar da proibição, há mulheres com zika que já recorreram ao procedimento.

Saúde Redação Piripiri 29 de fevereiro de 2016 12:26h

A maioria da população brasileira considera que as mulheres infectadas pelo vrus da zika não deveriam ter direito de abortar -mesmo que houvesse a confirmação de microcefalia no bebê.

Segundo pesquisa Datafolha, 58% avaliam que as grávidas que tiveram zika no podem ter a opo de interromper a gravidez, contra 32% que defendem esse direito -e 10% que no opinam.

A rejeição majoritária à possibilidade de aborto legal ocorre inclusive nos casos em que a microcefalia já foi comprovada durante a gestão. Nesse cenário, 51% se posicionam contrários ao direito de interromper a gravidez, contra 39% que são a favor.

O vírus da zika em gestantes tem sido associado ao aumento de casos de má-formação no cérebro de recém-nascidos e levou a OMS (Organização Mundial da Saúde) a decretar emergência mundial.

No Brasil, epicentro da doença, já foram confirmados 583 casos de microcefalia desde outubro, mais de 90% deles no Nordeste.

O Datafolha aponta que a rejeição hipótese de aborto maior entre as mulheres do que entre os homens -61% delas discordam do direito de interrupção da gravidez para gestantes que tiveram zika (contra 53% dos homens) e 56%, mesmo se a microcefalia já estiver confirmada (contra 46% dos homens).

Esse direito, no caso de bebês com a má-formação comprovada, só tem a defesa majoritária entre brasileiros com escolaridade superior ou com renda familiar acima de cinco salários mínimos.

Entre as mulheres que disseram ter planejado uma gravidez nos últimos meses (só 9%), quase metade afirmou ter desistido do plano.

O surto de zika e microcefalia reacendeu a discussão do aborto legal, previsto no Brasil apenas em situações que colocam a mãe em risco, em casos de estupro e anencefalia (falta de crebro) e que passível de punição, até três anos, pelo Código Penal.

Apesar da proibição, há mulheres com zika que já recorreram ao aborto, conforme revelado pela Folha.

Um braço de direitos humanos da ONU (Nações Unidas) chegou a pedir que países afetados pelo vírus considerassem esse direito das mulheres de interromper a gravidez.
O aborto, mesmo diante da zika, foi rechaçado e considerado um “mal absoluto” pelo papa Francisco, que admitiu, porém, a hipótese do uso de métodos contraceptivos.

Apesar da desaprovação da maioria da população ao direito de interromper a gravidez diante da zika e da microcefalia, os índices são inferiores aos de pesquisa Datafolha, de novembro do ano passado, sobre a legislação do aborto de modo geral, sem estar relacionado a essas doenças.

Na ocasião, 67% defendiam manter a punição pratica, contra 16% que eram favoráveis ampliação do aborto legal para mais situações e 11% que defendiam a prática em qualquer hipótese.

RESPONSABILIDADE
A pesquisa Datafolha, com margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos, foi realizada entre os dias 24 e 25 deste más, em 171 municípios do país, onde houve 2.768 entrevistas.

O levantamento aponta que os brasileiros responsabilizam os governos federal, estadual e municipal (em índices semelhantes) pelos casos de zika, mas chegam a culpar ainda mais a própria população.

Pela pesquisa, 93% reconhecem que os moradores têm alguma responsabilidade pelo vírus -para 75%, “muita responsabilidade”. Enquanto isso, varia entre 88% e 89% os que veem responsabilidade dos governos federal, estadual ou municipal -e de 56% a 58% os que falam em “muita responsabilidade”.

Nos últimos meses, campanhas do poder público têm enfatizado a necessidade de participação de moradores no combate aos focos do Aedes aegypti, que, além da zika, também transmissor de dengue e chikungunya.

A precariedade do saneamento básico, porém, com a recorrência de esgoto a céu aberto e lixo nas ruas, apontada por especialistas como um dos principais fatores para proliferação do mosquito.

O Datafolha aponta que 81% dos brasileiros dizem ter medo de contrair a zika -dos quais 58%, “muito medo”.

Folha de S. Paulo / Datafolha

A respeito de matéria publicada por este site, afirmamos não ser verdadeira a informação de que não há aparelho de ultrassonografia no Hospital Regional Chagas Rodrigues (HRCR). Um novo equipamento foi adquirido e, a partir da próxima segunda-feira, 18, estará sendo utilizado, com abertura de vagas para marcação de exames junto à central de regulação.

Também é importante ressaltar, que as atividades normais do referido aparelho voltarão também graças ao acerto do hospital com o médico especialista na área.

A direção do HRCR informa ainda que o outro ultrassom que estava com as atividades paralisadas por defeito, também estará à disposição da comunidade em breve, já que está sendo providenciada a sua manutenção. Assim sendo, logo mais serão dois aparelhos disponibilizados para a população.

Colocamo-nos a disposição da imprensa para maiores esclarecimentos, lembrando que as regras do bom jornalismo mandam que sejam ouvidas as partes envolvidas na matéria, evitando prejuízos para pessoas e entidades.

Atenciosamente,

Nádia Costa – Diretora do Hospital Regional Chagas Rodrigues.

A reportagem do site ( não mentiu) só quis ajudar e na verdade ajudou, uma vez que o aparelho de ultrassom realmente estava quebrado só agora, conseguiram outro equipamento e pelo texto da direção do H R C R, só volta a operar a partir de segunda feira, dia 18 de janeiro.


CAOS NA SAÚDE! Homem morre na frente do hospital por falta de atendimento.

Para as testemunhas, isso não foi seguir protocolo e sim omissão de socorro.

Saúde Redação Piripiri 11 de janeiro de 2016 09:11h

Um homem identificado apenas por Moises, morreu na frente do hospital Dirceu Arcoverde, diante dos profissionais de saúde do estado do Piauí. Segundo testemunhas várias pessoas foram até o hospital comunicar que a vítima estava prestes a morrer e após cerca de vinte minutos ninguém fez o socorro alegando seguir o protocolo.

O funcionário da funerária onde o homem morreu em frente foi uma das pessoas que pediu socorro e o policial de plantão junto com outras pessoas alertaram o hospital que nada fez além de constatar o óbito.

Para muitos isso não foi seguir protocolo e sim omissão de socorro. Pessoas que o conheciam disseram que ele bebe muito e sofre de epilepsia. Ele foi atendido antes pelo SAMU (Serviço de Atendimento de Urgência de Teresina) e após ser liberado do hospital, teve nova crise e segundo protocolo ele teria que ser levado novamente pelo SAMU.

 “Se fosse o parente de um deles será que teriam deixando morrer, ou se fosse alguma autoridade ou alguém com dinheiro será que isso teria ocorrido?”, questionaram as pessoas que presenciaram a morte em frente ao hospital Estadual Dirceu Arcoverde.

Ninguém do hospital foi encontrado para falar e a Polícia Militar manteve a ordem até chegada do IML (Instituto Médico Legal). A identidade e parentesco da vítima não foram encontrados.

Com informações do Blog do Pessoa

Após 313 mortes de bebês em 2015, maternidade estuda diminuir superlotação.

A maternidade é importante para todas as cidades do Piauí.

Saúde Redação Piripiri 17 de dezembro de 2015 14:15h

A promotora de justiça, Cláudia Seabra, realizou audiência pública nesta quinta-feira (17) para discutir a superlotação da Maternidade Dona Evangelina Rosa, após a unidade contabilizar 313 óbitos de bebês e de 17 mães neste ano. Ela reuniu o secretário Estadual  de Saúde, Francisco Costa, representantes da Maternidade e gestores de 11 municípios se reuniram para tentar diminuir o número de partos na maternidade, que é  referência em alta complexidade. 

Os dados foram divulgados após duas mães e dois bebês morrerem em 24 horas na semana passada, o que acendeu o sinal de alerta. 

No entanto, a promotora informou que desde 2012 há um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) e ações na Justiça determinando que a maternidade fosse melhor aparelhada, com reforma e estruturação do centro obstétrico, unidade neonatal e centros cirúrgicos e ainda contratação de pessoal para otimizar os partos. 

“Nós readequamos esse TAC e demos novos prazos para a Secretaria de Saúde para cumpri-lo, já que demonstrou vontade política de resolver o que foi acordado, agilizando os processos licitatórios”, justificou a promotora. 
11 municípios estão fazendo um pacto emergencial para reduzir o envio de grávidas em iminência de parto à Maternidade Dona Evangelina Rosa, que atualmente se encontra superlotada. 

Durante a reunião, a Secretaria Estadual de Saúde fez uma proposta para três municípios: União, Água Branca e Altos, inicialmente, de enviar R$ 25 mil para a contratação de enfermeiras obstetras que ajudariam nos partos normais em hospitais locais. Porém, como a proposta não atendiam as outras cidades, eles não aceitaram. 

Por causa disso, será realizado um cronograma de visita para o levantamento do diagnóstico das cidades. A proposta é que sejam contratadas enfermeiras obstetras 24 horas para realizar partos normais. Segundo o secretário, o valor daria para contratar cinco profissionais.  

O secretário Francisco Costa alegou que há uma superlotação na maternidade estadual e que se reduzisse pelo menos 50% do envio de grávida do interior já ajudaria a voltar à normalidade. 

A promotora disse que os municípios se comprometeram a fazer metas de aumentos de partos, desde que recebam aporte do Estado.

CidadeVerde.com

Algumas atitudes do dia a dia podem trazer grandes desconfortos. Ficar por um longo tempo sentado ou deitado em postura inadequada, carregar uma mochila muito pesada, andar curvado e até mesmo passar por muitos momentos de tensão podem trazer estresse para a sua coluna e causar dores mais intensas.

Só o fato de ficar trinta minutos na mesma posição já pode acarretar em uma tensão dos músculos que, ao acontecer com frequência, inicia um quadro de dores e desconfortos muito desconfortáveis.

Mudanças necessárias

O estilo de vida pode ser algo determinante para o aparecimento desses problemas em seu corpo, mais especificamente na coluna. Até mesmo o tabagismo pode estar relacionado a isso, já que ocasiona a redução da circulação sanguínea nos discos que compõem a coluna espinhal, dificultando a chegada de nutrientes até esses locais e deixando-os desidratados. Além disso, o sedentarismo, o excesso de peso e a má alimentação são fatores que podem gerar esses desconfortos.

Mudar esses hábitos deve ser o primeiro passo para levar uma vida mais saudável, mas, para evitar as dores ou melhorar de seus efeitos, é importante mudar muito mais. Tomar cautela com as posições que você fica durante o dia e evitar a rotação da coluna figuram entre as atitudes essenciais para melhorar esses sintomas.

Fortalecer a coluna por meio de exercícios físicos também é indicado, como o pilates e a yoga. Evitar dormir de bruços, por forçar demais a coluna, é uma solução. Dê preferência por deitar de lado, usando um travesseiro entre os joelhos para manter a coluna mais alinhada. O colchão para deitar também deve ser bem escolhido, por isso adquira um modeloque não seja mole ou duro demais. Para levantar, vire-se para um lado e apoie a sua mão na superfície do colchão.

Quando precisar se abaixar, flexione os seus joelhos ao invés de inclinar a sua coluna. No trabalho, apoie bem as suas costas na cadeira e deixe os pés completamente encostados no chão, mantendo seus braços apoiados na cadeira para que tenha mais sustentação.


Grávidas devem evitar repelentes caseiros contra vírus Zika

Os repelentes caseiros não têm nenhuma conotação científica

Saúde Redação Piripiri 11 de dezembro de 2015 10:28h

Com o aumento de casos de microcefalia no país, relacionados ao vírus Zika, a coordenadora do ambulatório de microcefalia do Hospital Oswaldo Cruz, Regina Coeli, recomendou que grávidas usem repelentes para evitar que sejam picadas pelo mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus.

O Hospital Oswaldo Cruz tem centralizado o atendimento aos pacientes com Zika em Pernambuco, estado que registra o maior número de casos de microcefalia, com mais de 800. Em uma palestra no Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) na manhã de hoje (10), a médica alertou que as gestantes busquem usar os repelentes do tipo deet e icaridina e evitar os repelentes caseiros, pois não têm comprovação científica de serem eficazes.

"A gente orienta que os repelentes caseiros não têm nenhuma conotação científica", disse.

A diferença entre o deet e o icaridina, segundo Regina Coeli, é o tempo de intervalo para o uso. Enquanto o deet deve ser passado aproximadamente de três horas em três horas, o icaridina pode ter intervalos de oito a dez horas. Em dias quentes, os períodos de reposição devem ser menores por causa do suor.

Amamentação

A infectologista destacou também que a detecção de vírus Zika não é motivo para as mães interromperem a amamentação, pois o vetor de transmissão da doença é o mosquito. Outro mito que a médica desmentiu foi a associação de que vacinas para gestantes pode causar a doença. "Todas as vacinas dadas às gestantes são seguras".

Como ainda não existe exame específico para detectar o vírus, a confirmação dos casos tem ocorrido por meio do PCR, atualmente o exame mais confiável para o diagnóstico e deve ser feita o mais cedo possível. Regina Coeli recomenda que as gestantes com manchas vermelhas no corpo procurem imediatamente o obstetra para que o exame seja realizado nos primeiros três a cinco dias. Além das manchas, a gestante também pode ter febre.

"Antes de qualquer coisa, é preciso se tranquilizar. Nem toda manchinha vai ser infecção pelo Zika e vai provocar microcefalia. Pode ser um quadro alérgico, por exemplo".

Em caso de diagnóstico do Zika durante a gestação, a coordenadora orienta que o ultrassom seja feito um mês depois do surgimento da doença, pois antes desse período é difícil identificar efeito do vírus. O ultrassom mais conclusivo se dá entre a 32ª e a 35ª semanas de gestação.

"Não há necessidade de fazer ultrassom todo mês. Se você tem a infecção, espere pelo menos um mês para fazer o ultrassom. E se, em um mês, foi normal, entre a 32ª e a 35ª semanas, faça um novo ultrassom".

A associação entre a microcefalia e o vírus Zika, reconhecida pelo Ministério da Saúde, ocorre somente nos primeiros quatro meses de gestação, explica Regina Coeli. Ainda não há informações suficientes, segundo ela, para confirmar uma relação entre o contágio por Zika nas semanas seguintes e problemas de saúde no bebê. 

A médica destacou que é preciso dar acolhimento a mães, que estão com muitas dúvidas e nervosismo. "As mães chegam muito exauridas do ponto de vista psicológico. A gente tem que dar muito amor a essas crianças".

Fonte: Agência Brasil


Conheça os serviços e profissionais do Laboratório Prevlab‏

Atendimento de Coleta Domiciliar ligue (86) 3276-2388. Avenida Tomaz Rebelo 801

Saúde 01 de dezembro de 2015 09:59h

Conheça os serviços e profissionais do Laboratório Prevlab.

Para agendar ou mais informações sobre o Atendimento de Coleta Domiciliar
ligue (86) 3276-2388.
Avenida Tomaz Rebelo 801.


Piripiri40graus lança campanha para ajudar essa senhora!

Maria José da Silva está internada no Hospital Chagas Rodrigues

Saúde 27 de novembro de 2015 17:58h

Vamos ajudar esta senhora que está internada no Hospital Chagas Rodrigues o nome dela é Maria José da Silva. Ela tem complicação no coração e também está com o coração crescendo.
Nos da comunidade São Francisco de Assis no Conjunto Espedito Rezende, familiares e amigos precisamos da sua ajuda para que ela possa fazer um hemograma completa do coração.
Informações para ajuda (86) 9 9816- 1975 Conta 1001-5 agência 0699 operação 023.
Contamos com o seu bom coração!! Qualquer ajuda será bem vinda.

A exposição ao sol de forma inadequada pode trazer inúmeros prejuízos à saúde, além de ser responsável pelo câncer de maior incidência no Brasil, o câncer de pele. Embora de elevada incidência, existe uma grande dificuldade,por parte da sociedade brasileira, em entender os danos causados pela exposição excessiva dos raios ultravioletas e que tipo de produto é mais adequado a sua pele ou sobre como os produtos devem ser aplicados.

Considerando a importância desses dados, o  curso de Farmácia da Chrisfapi participou da Campanha Nacional de Fotoeducação “Orientações farmacêuticas na luta contra o câncer de pele”, envolvendo as Farmácias Universitárias do Brasil, com o objetivo de realizar intervenções junto à população para divulgar a maneira correta de utilização dos produtos para proteção solar, além de promover palestras informativas, distribuição de cartilhas e folders.

A ação educativa aconteceu hoje, dia 24/11, no centro de Piripiri. Houve orientações para a população sobre o cuidado com a pele, uso correto do protetor solar, riscos da exposição ao sol e horários menos indicados para tal, orientações sobre fotoproteção mecânica, além da distribuição de amostras grátis de protetor solar.

Fonte: Núcelo de Comunicação da Faculdade Chrisfapi 


Piauí registra aumento de 350% dos casos de microcefalia em 2015

Saúde Redação Piripiri 18 de novembro de 2015 09:24h

Organizar uma força tarefa para levantar dados sobre a real situação do Piauí com relação à incidência de bebês com microcefalia foi o objetivo da reunião realizada na Diretoria de Unidade de Vigilância e Atenção à Saúde (DUVAS) da Secretaria de Estado da Saúde. Na reunião, foram apresentados os 27 casos registrados em 2015 no Piauí.

Dos 27 casos, 22 foram registrados na MDER, quatro na Maternidade Wall Ferraz e um na Maternidade Santa Fé. O sinal de alerta veio de ocorrências no Estado de Pernambuco, onde foram registrados 160 casos da doença somente em 2015. Para vislumbrar o número de casos de microcefalia no cenário nacional, o Ministério da Saúde solicitou relatórios aos demais estados da federação.

Juntos, DUVAS, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Fundação Municipal de Saúde (FMS), Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER), Maternidade Santa Fé, Ciamca, Laboratório Central do Estado (Lacen) e Ministério da Saúde instituíram o Comitê de Operações de Emergência em Saúde-Microcefalia para investigar as causas que levaram ao aumento de 350% dos casos em 2015 (27 casos confirmados) em relação a 2014 (seis casos confirmados).

“Em resposta ao Ministério da Saúde, o Estado do Piauí está hoje avaliando os dados das maternidades de Teresina, onde observamos o aumento considerável de casos de microcefalia, em comparação aos anos anteriores, principalmente a partir do dia 04 de outubro deste ano. Diante disso, estamos informando ao Ministério esses casos e vamos permanecer fazendo avaliações nos nossos prontuários, livros de registro para observarmos outros casos possíveis”, declarou o diretor da DUVAS, Herlon Guimarães.

Para o diretor, diante desses dados, o Ministério deve dar novas orientações de como proceder. "Vamos fazer com esses bebês, com as gestantes, como iremos acompanhá-los e isso nós vamos aguardar a instrução do Comitê nacional para todos os estados onde teve esse aumento”, disse.

Segundo a representante do Ministério da Saúde, Carmem Viana, serão também investigados se os casos se restringem à microcefalia ou se existe alguma outra anomalia associada à doença. “Estaremos definindo protocolos de atendimento e orientações para os profissionais que lidam com esse segmento da população. A microcefalia pode ser a ponta do iceberg. Não sabemos o grau de acometimento dessa síndrome que se apresenta e que investigaremos em diversas frentes para sabermos do que se trata”, disse.

O que é a microcefalia

A microcefalia não é um agravo novo. Trata-se de uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Neste caso, os bebês  nascem com perímetro cefálico (PC) menor que o normal, que habitualmente é superior a  33 cm.

Esse defeito congênito pode ser efeito de uma série de fatores de diferentes origens, como as substâncias químicas, agentes biológicos (infecciosos), como bactérias, vírus  e radiação.

Cerca de 90% das microcefalias estão associadas com retardo mental, exceto nas de origem familiar, que podem ter o desenvolvimento cognitivo normal. O tipo e o nível de gravidade da sequela vão variar caso a caso. Tratamentos realizados desde os primeiros anos melhoram o desenvolvimento e a qualidade de vida.

De acordo com Guimarães, com o diagnóstico de microcefalia, “existem condições em que o bebê pode passar por procedimento cirúrgico, mas pode-se fazer terapias com multiprofissionais para que haja um melhoramento da qualidade de vida dessa criança como também um melhoramento das condições motoras e cognitivas”.


Mais um Estado relata aumento súbito de nascimentos de bebês com microcefalia. A Secretaria de Saúde do Piauí informou na manhã desta sexta-feira (13) ter registrado nas últimas três semanas 10 casos entre recém-nascidos e dois intrauterinos. Outros quatro seguem em investigação. Com isso, sobe para 243 o número de notificações da má-formação que, até hoje, era considerada um evento raro na pediatria.

Crianças com o problema apresentam uma circunferência cefálica menor do que a média e podem ter deficiência mental, motora, problemas de visão e audição. A maior parte dos casos está concentrada em Pernambuco (141 casos), seguido porSergipe (49), Rio Grande do Norte (22) e Paraíba (9).

Em todos esses Estados, o aumento do número de casos de microcefalia está muito acima da média histórica. No Piauí, foram registrados durante todo o ano de 2013 quatro casos. No ano passado, foram seis casos.

O Ministério da Saúde decretou quarta-feira (11) estado de emergência sanitária nacional. A decisão foi tomada baseando-se apenas nos dados de Pernambuco. Desde então, o número de notificações subiu de 141 para 243. Até agora não são conhecidas as causas do aumento do número de casos.

Investigações preliminares indicam apenas que a maior parte das mães dos bebês com malformação apresentaram, durante os primeiros meses de gestação, febre baixa, coceira e vermelhidão. Os sintomas são semelhantes aos provocados pela infecção por zika vírus, uma doença que chegou neste ano ao Brasil e que afetou sobretudo Estados do Nordeste.

Técnicos do Ministério da Saúde reconhecem que essa é a principal suspeita. Isso porque o período de surto da doença, ocorrido no início do ano, coincide com o provável período de infecção dos bebês. Há outras causas que estão sendo investigadas. Entre elas, infecção durante a gestação por toxoplasmose, citomegalovírus, sífilis e herpes.

No entanto, exames feitos até agora não indicam que grávidas ou bebês tenham sido contaminados por esses agentes.

A Secretaria de Saúde do Piauí anunciou que vai montar uma comissão para investigação dos casos, preparar um plano de ação e um protocolo para atendimento dos bebês. Em Pernambuco, o primeiro Estado a identificar um aumento súbito de casos, o protocolo para diagnóstico foi lançado nesta semana. Tanto em Pernambuco quanto no Rio Grande do Norte um protocolo de atendimento para bebês e gestantes foi preparado.

"Esses bebês precisam de cuidados específicos. Poucos profissionais têm hoje preparo para prestá-los", afirmou o professor do Instituto de Medicina Tropical do Rio Grande do Norte Kleber Luz. Ele afirma que, em seu Estado, cerca de 80% das mães de bebês com microcefalia apresentaram sintomas semelhantes aos de zika.

No Rio Grande do Norte, o número de casos contabilizados neste ano é 11 vezes maior do que o apresentado em 2012. A maior parte dos nascimentos ocorreu depois de agosto.

Clínica CLINENFSJ o seu espaço de saúde completo com várias especialidades

A CRINENFSJ- tem o seu próprio plano de saúde e com ele você e sua família

Saúde 04 de novembro de 2015 12:35h

Confira os especialistas que irão atender no mês de Maio na CLINENFSJ, em Piripiri, que lhe oferece mais comodidade em um espaço totalmente dedicado para você:

• Ultrassom – Dr. Antônio José Dia 05/ 11 – 15:00 hrs
• Dermatologista – Dr. Ozacy Dias 09, 16, 23 e 30/11 – manhã e tarde
• Clínico-Geral – Dra. Lúcia Dia 13/11 – manhã e tarde
• Gastro – Dr. Antônio José Dia 05/11 – 15:00 hrs
 • Psiquiatria e Geriatria – Dr. Vicente Jr Dia 27/11 – 11:30 hrs
 • Neuro – Dr. Marcello Soares Dia 27/11 – 08:00 hrs


A CRINENFSJ- tem o seu próprio plano de saúde e com ele você e sua família tem direito a consultas com clinico geral uma vez por mês com direito a retorno exame mensal hemograma etc. Av. Tomaz Rebelo nº 555 próximo a Pão Mel centro de Piripiri. Fones: (86) 9988 0174/9408 0193. A clinica tem como diretor geral Dr. Espedito Pacífico.