Política

Homens encapuzados entregam cestas básicas para ‘comprar’ votos em Piripiri.

A denúncia foi citada pelo desembargador do TRE-PI durante sessão.

Política Redação Piripiri 23 de setembro de 2016 12:27h

O jornal Diário do Povo divulgou na sua edição desta quinta-feira (22/09) que o corregedor regional eleitoral do Piauí, desembargador Edvaldo Moura, informou durante sessão no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), que ele e o procurador regional eleitoral, Israel Gonçalves, têm recebido diversas denúncias de crimes eleitorais.

Ele citou que em Piripiri, por exemplo, homens encapuzados estariam distribuindo cestas básicas para eleitores, mas não disse a que candidatos ou grupo político estariam ligados. O caso foi entregue para investigação policial.

A denúncia foi confirmada pelo desembargador. “Eu, como corregedor não poderia me omitir, senão seria até um crime. Conheço a situação do Piauí inteiro. E não vamos permitir essas ações. As providencias já estão sendo dadas”, adiantou o magistrado. Segundo Edvaldo Moura, existem problemas sérios em vários municípios e devem ser apurados. “Nominamos alguns à polícia, durante o encontro com as forças de segurança e pedimos a apuração. A situação é preocupante”, adiantou.

Fonte: Jornal Diário do Povo


Faltam 10 dias: confira tudo o que é preciso para votar com tranquilidade

Analise as propostas e escolha o melhor candidato para Piripiri.

Política Redação Piripiri 23 de setembro de 2016 10:57h

No próximo dia 2 de outubro, 144.088.912 brasileiros vão às urnas para escolher 5.568 prefeitos e 57.931 vereadores. Só não votarão neste pleito municipal os eleitores do Distrito Federal e de Fernando de Noronha, onde não há representantes desses cargos, e os que estão cadastrados para votar no exterior, que só escolhem o presidente da República.

Horário da votação

O eleitor pode ir à sua seção eleitoral e votar das 8h às 17h, considerado o horário local de seu município.

Local da votação

Em seu título de eleitor, constam informações sobre a zona eleitoral e a seção onde você vota. Mas, se você não sabe onde vota ou perdeu o título, pode consultar o local de votação e o número do seu título no Portal do TSE. Para esta consulta, basta informar o seu nome, data de nascimento e nome da mãe.

Documento

No dia da eleição, não é obrigatória a apresentação do título de eleitor. No entanto, é necessário apresentar ao mesário um documento oficial com foto (carteira de identidade, passaporte, carteira de categoria profissional reconhecida por lei, certificado de reservista, carteira de trabalho ou carteira nacional de habilitação). Não será admitida a certidão de nascimento nem de casamento.

Ordem de votação

Todos os eleitores brasileiros votam na urna eletrônica. Nela, é mais fácil, rápido e seguro exercer o direito ao voto. O primeiro voto será para o cargo de vereador. O eleitor pode votar em um candidato ou somente na legenda. Para votar no candidato de sua preferência, digite os cinco números do candidato, confira o nome e a foto dele e, caso esteja correto, tecle “CONFIRMA”. Se você errou o número, tecle “CORRIGE”, digite os números corretos, e confirme o seu voto.

Para votar somente no partido, o chamado voto de legenda, o eleitor deve digitar somente os dois primeiros números, pois esses identificam o partido. Antes da confirmação do voto, a urna apresentará a informação do respectivo partido e mensagem alertando o eleitor que, se confirmado o voto, ele será computado para a legenda.

O segundo voto será para o cargo de prefeito. Para votar no candidato de sua preferência, digite os dois números do candidato, confira o nome e a foto dele e, caso esteja correto, tecle “CONFIRMA”. Se você errou o número, tecle “CORRIGE” e digite os números corretos, repetindo a operação até confirmar o seu voto. Ao final da votação, a urna eletrônica exibe a palavra “FIM” e emite um sinal sonoro indicando a conclusão do voto.

Justificativa

O eleitor que não puder comparecer ao seu local de votação e, em consequência, não votar, deve justificar a ausência. É necessária uma justificativa para cada turno em que o eleitor foi ausente, ou seja, se faltar à votação no primeiro turno, deverá fazer uma justificativa; se faltar ao segundo turno, outra justificativa. A justificativa pode ser feita no dia da eleição em um dos postos de justificativa ou em até 60 dias após a ausência. Clique aqui para mais informações sobre justificativa eleitoral.


Fonte: TSE


Prazo para tirar a 2ª via do Título de Eleitor acaba nesta quinta-feira (22).

Os eleitores que perderem o prazo podem votar com um documento com foto.

Política Redação Piripiri 22 de setembro de 2016 09:38h

Encerra nesta quinta-feira (22/9) o prazo para emissão da 2ª via do Título de Eleitor. O cidadão que perdeu o documento e deseja requerer esse serviço deve comparecer ao Cartório Eleitoral de sua região portando documento de identificação com foto, exceto novo modelo de passaporte.

Os eleitores que perderem o prazo para tirar a nova via do Título podem participar das eleições utilizando apenas documento de identificação com foto. Para descobrir seu local de votação o eleitor só precisa enviar uma mensagem de texto com o número do seu Título de Eleitor para: 62733, e logo receberá a resposta com o endereço do seu local e seção de votação.

Além da mensagem via SMS, o eleitor também pode consultar sua localidade de votação e seção pelo telefone da Ouvidoria do TRE 0800 6486800 ou no site do TRE-PI, onde ele também pode descobrir o número do seu Título de Eleitor, caso necessário.

TRE- PI

Ex-ministro da Fazenda Guido Mantega é preso em nova fase da operação Lava Jato.

Mantega é suspeito de atuar para arrecadar propinas para o PT em 2012

Política Redação Piripiri 22 de setembro de 2016 08:20h

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega foi preso no Hospital Albert Einstein, onde acompanhava a sua mulher em cirurgia, na manhã desta quinta-feira (22). A prisão faz parte da nova fase da Operação Lava Jato, batizada de Arquivo X.

Mantega é suspeito de atuar para arrecadar propinas para o PT em 2012 em contratos de duas plataformas, P67 e P70.

A equipe da Polícia Federal cumpre mandados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia e Distrito Federal, de acordo com o Estadão.

No total, são 49 ordens judiciais, sendo 33 mandados de busca e apreensão, 08 mandados de prisão temporária e 08 mandados de condução coercitiva.


Veja também:

Juiz Sérgio Moro aceita denúncia da Lava Jato contra o ex-presidente Lula.

A denúncia é por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Política Redação Piripiri 21 de setembro de 2016 09:17h

O juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, aceitou hoje (20) denúncia apresentada pela força-tarefa da Operação Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a mulher dele, Marisa Letícia da Silva, e outras seis pessoas. Com a decisão, todos viram réus nas investigações.

Na denúncia, apresentada na semana passada, o procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa, disse que Lula era o “comandante máximo do esquema de corrupção identificado na [Operação] Lava Jato”. O ex-presidente foi denunciado à Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo os procuradores, Lula recebeu R$ 3,7 milhões de propina de empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de vantagens indevidas, como a reforma de um apartamento triplex no Guarujá (SP),e pagamento de despesas com guarda-volumes para os objetos que Lula ganhou quando estava no cargo. As vantagens teriam sido pagas pela empreiteira OAS.

Após a divulgação da denúncia, os advogados de Lula afirmaram que as acusações fazem parte de um “deplorável espetáculo de verborragia da manifestação da força tarefa da Lava Jato”.

"O MPF elegeu Lula como maestro de uma organização criminosa, mas esqueceu do principal: a apresentação de provas dos crimes imputados. “Quem tinha poder?” Resposta: Lula. Logo, era o “comandante máximo” da “propinocracia” brasileira. Um novo país nasceu hoje sob a batuta de Deltan Dallagnol e, neste país, ser amigo e ter aliados políticos é crime", argumentou a defesa.

Também foram denunciados pelo MPF o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, além de Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Paulo Roberto Valente Gordilho, Fábio Hori Yonamine e Roberto Moreira Ferreira, todos ligadas à empreiteira.

O ex-presidente Lula também é réu em outra ação penal oriunda da Operação Lava Jato, que tramita na Justiça Federal em Brasília. Na ação penal, Lula, o ex-senador Delcídio do Amaral, e mais cinco acusados pelo crime de obstrução das investigações. Todos os envolvidos são acusados de tentar impedir o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró de assinar acordo de delação premiada com a força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato.

Agência Brasil


Veja também:

Moro perdeu imparcialidade para julgar Lula, diz defesa

Réu pela segunda vez: o que acontece com Lula agora?


Candidato só pode ser preso em flagrante delito a partir deste sábado (17)

A medida faz parte de dispositivo do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65).

Política Redação Piripiri 18 de setembro de 2016 10:38h

A partir deste sábado (17), nenhum candidato a prefeito, vice-prefeito ou vereador poderá ser detido ou preso, salvo em flagrante delito. A medida faz parte de dispositivo do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65).

O ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), explica que a medida “é para que a prisão não seja utilizada como elemento de constrangimento político, afastando o candidato da campanha, o que não pode ser admitido em uma democracia, salvo se houver flagrante delito”.

“Visa resguardar, principalmente, o direito do candidato de continuar realizando sua campanha e também o equilíbrio na disputa entre os candidatos”, esclarece o ministro.

Fonte: TSE

Voto jovem representa 27% do eleitorado e pode decidir pleito, diz TSE

A escolaridade dos jovens é ponto determinante, segundo especialista.

Política Redação Piripiri 16 de setembro de 2016 11:42h

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que os jovens entre 16 e 29 anos representam 27% do eleitorado nacional, o que demonstra, para a Justiça Eleitoral, que o voto dessa camada da população deverá ser determinante nas eleições municipais de outubro.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem cerca de 51 milhões de jovens de 15 a 29 anos, correspondendo a um quarto da população do país. Desses, mais de 75% (38.876.290) estão aptos a votar nas eleições deste ano, segundo dados do TSE. Os jovens entre 25 e 29 anos representam 10,83% do eleitorado; de 21 a 24 anos, 8,71% e de 16 a 20 anos, 7,45%.

Para o cientista político Leonardo Barreto, especialista em comportamento eleitoral, o voto dos jovens pode ser determinante nas eleições porque, por terem mais escolaridade que as gerações anteriores, acabam por influenciar o voto das pessoas do seu círculo social, como pais e avós. Segundo Barreto, pesquisas demonstram que a rede de amizades e familiares é o fator que mais influencia na escolha dos candidatos. “Mas o jovem costuma ter um voto crítico”, diz o especialista.

Voto facultativo

De acordo com a Justiça Eleitoral, 1.638.751 jovens de 16 e 17 anos votaram nas eleições de 2014. Para estas eleições municipais, 2.311.120 adolescentes estão aptos a votar. O jovem nessa faixa etária não é obrigado a votar, mas já tem o direito garantido pela Constituição.

O alistamento eleitoral e o voto são facultativos para os analfabetos, os maiores de 70 anos e os maiores de 16 anos e menores de 18.

O Brasil tem 144 milhões de eleitores aptos a votar nas eleições para prefeitos e vereadores. O primeiro turno será no dia 2 de outubro.


Agência Brasil


Cidades baixam salários dos vereadores e maioria desiste de disputar reeleição

A suposta "preocupação com o povo" sempre tem um preço.

Política Redação Piripiri 14 de setembro de 2016 10:46h

A partir de 2017, os vereadores de três cidades do Paraná passarão a receber subsídio equivalente a um salário mínimo. O efeito mais evidente desta redução foi a queda no número de parlamentares dispostos a tentar a reeleição. Menos da metade dos atuais vereadores de Mauá da Serra, Santo Antônio da Platina e São Mateus do Sul disputam na eleição deste ano uma cadeira no legislativo municipal. Em 2012, essa taxa foi de 63%.

O maior índice de desistências da reeleição foi registrado em Santo Antônio da Platina, município do Norte paranaense que foi o primeiro a diminuir os subsídios dos parlamentares por conta da pressão popular. Dos nove vereadores da atual legislatura, apenas dois tentarão a recondução ao cargo. Dos desistentes, quatro disputarão a eleição majoritária – nos cargos de prefeito ou vice – e três vão interromper a carreira política.

O vereador Fábio Galhardi (PMDB), que não será candidato em 2016, afirma que a decisão de não disputar a reeleição não está relacionada à redução dos salários. “Não tomei a decisão por causa da redução. Meu partido coligou aqui e o cenário ficou difícil para minha eleição. Se eu me candidatasse, sairia para uma campanha muito atrás de outros candidatos”, afirmou.

Na cidade onde o salário dos parlamentares caiu de R$ 3,4 mil para R$ 970, o número geral de candidatos a uma vaga na Câmara Municipal também caiu. Em 2012 foram 106 candidaturas registradas pelo Tribunal Superior Eleitoral e em 2016 foram 98 registros.

Câmara cassa mandato de Eduardo Cunha: 450 votos a favor e 10 contra

O agora ex-deputado caiu atirando pra todos os lados.

Política Redação Piripiri 13 de setembro de 2016 09:00h

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta segunda-feira (12) por 450 a favor, 10 contra e 9 abstenções a cassação do mandato do deputado afastado Eduardo Cunha. A medida põe fim a um dos mais longos processos a tramitar no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, que se arrastava por 11 meses e interrompe o mandato de um dos políticos mais controvertidos dos últimos anos. Com o resultado, Cunha perde o mandato de deputado e fica inelegível por oito anos, mais o tempo que lhe resta da atual legislatura.

A sessão que culminou com a cassação do mandato de Cunha começou por volta das 19h, mas foi suspensa poucos minutos depois pelo presidente da Casa Rodrigo Maia (DEM-RJ), que esperava maior quórum e retomada pouco depois das 20h. Na retomada falaram o relator do processo no Conselho de Ética, Marcos Rogério (DEM-RO), o advogado de Cunha, Marcelo Nobre, e o próprio deputado afastado.

Rogério rebateu argumentos da defesa e de aliados de Cunha, segundo os quais o fato de ele ter mentido sobre a existência de contas no exterior em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras é um crime de menor gravidade. O relator acusou Cunha de ter faltado com a ética e o decoro parlamentar ao utilizar de manobras para postergar o processo. O relator disse que Eduardo Cunha omitiu, ao longo de anos, da Câmara dos Deputados e nas sucessivas declarações de renda, a propriedade de milhões de dólares em contas no exterior.

O advogado de defesa de Cunha disse que o parlamentar está sendo submetido a um linchamento e que o parecer do Conselho de Ética que pede a cassação do mandato do peemedebista não conseguiu a prova material da existência de contas no exterior. Já Eduardo Cunha disse que o processo contra ele, que pode resultar na cassação do seu mandato, é de natureza política e não tem provas. Ao fazer sua própria defesa no plenário da Câmara, Cunha atacou o governo do PT, disse que está sendo perseguido e que o processo é uma “vingança”. "Eu estou pagando o preço de ter o meu mandato cassado por ter dado continuidade ao processo de impeachment. É o preço que eu estou pagando para o Brasil ficar livre do PT", disse o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Aliados de Cunha tentaram até o fim uma última manobra. O deputado Carlso Marin (PDB-RS) apresentou uma questão de ordem para que fosse votado um projeto de resolução no lugar do parecer do Conselho de Ética, o que poderia resultar numa pena mais branda, como a suspensão de mandato. A iniciativa foi indeferida por Maia. Segundo o presidente da Câmara, os deputados iriam votar, como fizeram, o parecer do Conselho de Ética, pois o projeto de resolução “não é objeto de deliberação do plenário, assim não é possível receber emendas, fazer destaque em matérias constantes dos autos”, disse.

Marun ainda tentou recorrer da decisão e pedir a suspensão da sessão, mas o pedido não recebeu apoio do plenário. Diante do resultado Maia deu seguimento à sessão com as falas dos deputados inscritos. Depois que quatro parlamentares se manifestarem, dois a favor e dois contra, os deputados aprovaram um requerimento pelo encerramento da discussão. Durante todo o processo de votação, Cunha permaneceu em frente à Mesa, conversando com deputados.

Na noite desta segunda-feira, os deputados aprovaram o parecer do Conselho de Ética que pediu a cassação do mandato de Cunha por ele ter mentido durante depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras sobre ter contas secretas na Suíça que teriam recebido dinheiro do esquema de pagamento de propina envolvendo a Petrobras e investigado na operação Lava Jato.

Nega pagar contas

Durante todo o processo, Cunha negou que ser o proprietário de quatro contas no exterior apontadas pela Procuradoria-Geral da República como sendo dele e de seus familiares. Cunha disse que apenas tem trustes, tipo de negócio em que terceiros passam a administrar bens do contratante, e que os valores têm origem em operações comerciais e no mercado financeiro, como a venda de carne enlatada para países da África.

Segundo o relatório aprovado no Conselho de Ética, de autoria do deputado Marcos Rogério (DEM-RO), os trustes foram usados pelo presidente afastado da Câmara para ocultar patrimônio mantido fora do país e receber propina de contratos da Petrobras. O deputado diz no parecer que Cunha constituiu os trustes no exterior para viabilizar a "prática de crimes".

Trajetória

Eleito para a presidência da Câmara dos Deputados em fevereiro de 2015 por 267 votos, derrotando em primeiro turno o candidato do governo Dilma, Arlindo Chinaglia (PT-SP) que obteve 136 votos, Cunha teve a sua trajetória marcada pelo aparecimento de que atuava como lobista no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras e também duro embate que promoveu contra o governo da ex-presidenta Dilma Rousseff.

Com uma campanha montada em cima da insatisfação da base aliada do governo, Cunha, após a sua eleição, começou um processo de distanciamento e enfrentamento com o governo. A tensão crescente resultou, em julho, daquele ano no anúncio do seu rompimento com o governo Dilma Rousseff. Na ocasião Cunha disse que passaria a integrar as fileiras da oposição. Ele também começou a trabalhar para que o PMDB tomasse a mesma postura.

Operação Lava Jato

O anúncio do rompimento ocorreu em meio a escalada das denúncias que levaram o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a incluir o nome de Cunha em uma lista com o nome de políticos suspeitos de integrarem o esquema de corrupção e pagamento de propina envolvendo a Petrobras e investigado na Operação Lava Jato.

Entre as denúncias estava a feita pelo ex-consultor da empresa Toyo Setal Júlio Camargo que relatou à Justiça Federal do Paraná que Cunha lhe pediu propina de US$ 5 milhões. Cunha acusou o Palácio Planalto de ter se articulado para incriminá-lo.

Com informações da Agência Brasil

Veja também:

Lista com os 10 candidatos que votaram contra a cassação de Cunha

Veja a repercussão internacional sobre a cassação de Eduardo Cunha


Justiça restringe o uso de fogos de artifício em Piripiri

Quem descumprir a determinação será penalizado.

Política Redação Piripiri 11 de setembro de 2016 10:57h

A Justiça Eleitoral restringiu o uso de fogos de artifícios nas campanhas eleitorais em Piripiri, durante o pleito 2016. A decisão é da juíza Maria do Rosário de Fátima Martins Leite Dias, da 11ª Zona Eleitoral. A portaria foi publicada na quinta-feira (8).

De acordo com a decisão, a juíza destacou que “o uso indiscriminado de fogos de artifício usados nos movimentos de campanha eleitoral desta 11ª Zona, vem causando transtornos às pessoas, como ao meio ambiente”.

Por isso, decidiu restringir o uso por meio das agremiações partidárias e seus representantes legais, estabelecendo que somente usarão os fogos, de forma ordenada e em quantidade que não cause desconforto à população apenas na última carreata, último comício e quando aclamado os eleitos, no dia 02 de outubro.

Além disso, está proibido soltar fogos a 200 metros dos Fóruns locais durante horário de funcionamento.

Ainda de acordo com a portaria, se as agremiações fizerem o uso de fogos de artifícios sem serem nos momentos acima citados serão responsabilizados pelo descumprimento por perturbação do sossego público e crime causado ao meio ambiente quando proporcionado alastramento de queimadas, dentre outras sanções legais.


Justiça proíbe divulgação de pesquisa Data AZ realizada em Piripiri.

O pedido de liminar foi feito pela coligação do candidato Luiz Menezes.

Política Redação Piripiri 08 de setembro de 2016 08:53h

Por provocação das coligações Aliança para Reconstruir Piripiri I e II, a juíza eleitoral Maria do Rosário de Fátima Martins Leite Dias, concedeu liminar suspendendo a pesquisa eleitoral que o Instituto Data AZ registrou no dia 1 de setembro. A equipe ainda se encontrava em campo, portanto, até então sem a apuração do resultado.

De acordo com a ação da coligação de Luiz Menezes, não consta no questionário da pesquisa a relação completa dos candidatos a vereador, num total desconhecimento quanto aos procedimentos técnicos para a realização da pesquisa de intenção de voto. Candidato proporcional, como vereador, aparece na pesquisa espontânea, quando o eleitor, perguntado em quem vota, declina o nome do candidato da sua preferência.

A juíza Maria do Rosário aplica multa de R$ 5mil por dia de divulgação até o limite de 30 dias.

Com informações do Instituto Data AZ

Mesários terão isenção na inscrição para concursos realizados no Piauí

Quem desejar o benefício, tem que ter a comprovação do serviço prestado.

Política Redação Piripiri 05 de setembro de 2016 18:20h

O Projeto de Lei que prevê a isenção da taxa de concurso público, no âmbito estadual, para as pessoas que trabalham como voluntários na função de mesário durante as eleições, foi apresentado, votado e aprovado na Assembleia Legislativa do Piauí, e agora, sancionado pelo governador Wellington Dias..

"Então, esse projeto veio para beneficiar, para que não tenham vínculo empregatício com o poder público, que sejam isentas da taxa de concurso ao fazerem essas provas. Isso é um incentivo e vai fazer com que essas pessoas sejam chamadas pela justiça eleitoral. Tem um ganho muito positivo, principalmente para as pessoas mais carentes. Foi um ganho muito bom, principalmente para essa turma jovem que vai entrar o mercado de trabalho através do concurso público", concluiu o parlamentar.

Quem desejar o benefício, tem que ter a comprovação do serviço prestado, da apresentação de declaração ou diploma, expedido pela Justiça Eleitoral, contendo nome completo e função desempenhada pelo eleitor, além do turno e a data da eleição, cuja copias autenticadas devem ser juntadas no ato da inscrição.


Lula é investigado em outro escândalo de corrupção

As novas acusações vem da delação do ex-senador Delcídio do Amaral.

Política Redação Piripiri 04 de setembro de 2016 10:02h

Após a era petista no poder ser enterrada com o impeachment de Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula terá de lidar com alguns cadáveres insepultos. Além de ter se tornado réu e indiciado no petrolão, Lula agora será investigado pelo ressurreto mensalão. O ex-presidente foi acusado na delação do ex-senador Delcídio do Amaral de ter feito parte de um esquema armado para comprar o silêncio do empresário Marcos Valério, operador do esquema de subornos descoberto em 2005. Esse capítulo da colaboração do ex-parlamentar terá novos desdobramentos nos próximos meses.

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o caso seja enviado à Justiça Federal no Distrito Federal, para a apuração dos fatos, e compartilhado com o inquérito em andamento na Corte apelidado de “quadrilhão”, que escarafuncha todo o esquema de corrupção na Petrobras. Essa é a primeira vez em que o petrolão se encontra com o mensalão numa mesma investigação, tendo como elo Lula e o PT.

Teori atendeu a um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Em petição enviada ao STF, os investigadores da Lava-Jato solicitaram a apuração do relato feito por Delcídio que se refere à “participação de personagens centrais do Partido dos Trabalhadores, entre os quais o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Antonio Palocci e Paulo Okamotto, nas tratativas voltadas ao pagamento de valores ilícitos para manter o silêncio de Marcos Valério no denominado caso do ‘mensalão’”.

O ex-senador contou que, quando presidia a CPI dos Correios entre 2005 e 2006, foi procurado por Valério. Naquela ocasião, o operador do mensalão ameaçava entregar o PT se o partido não pagasse uma dívida de 220 milhões de reais, referente aos recursos utilizados para comprar o apoio de parlamentares durante o governo Lula. O assunto, que já era de conhecimento de Paulo Okamotto, braço-direito do ex-presidente, foi levado por Delcídio até Lula, que ficou transtornado. Alguns dias depois, de acordo com Delcídio, Palocci entrou em contato e disse que iria resolver o imbróglio. O ex-senador ainda relata que ouviu dizer que as empreiteiras do petrolão ajudaram a comprar o silêncio de Valério.

O ex-presidente também está sendo investigado em outra frente do mensalão. Os procuradores da Lava-Jato em Brasília estão apurando as acusações feitas por Marcos Valério num depoimento prestado ao Ministério Público Federal em setembro de 2012. Naquela época, o então empresário, condenado a 37 anos de prisão, chegou a negociar uma delação, mas acabou recuando do acordo.

Segundo o operador do mensalão, a empresa Portugal Telecom saldou uma dívida de 7 milhões de dólares de campanhas do PT. A transação foi realizada no exterior por meio de fornecedores da companhia de telecomunicação sediados em Macau. Como prova, Valério entregou quatro folhas com dados de contas bancárias fora do Brasil, que teriam sido utilizadas pelo PT para quitar despesas das eleições de 2002 e 2004.

A Polícia Federal e o MPF instauraram um inquérito para checar as acusações feitas por Valério, que se recusou a prestar novas informações. Após três anos, concluíram que seria inviável avançar nas pistas dadas pelo empresário, pois os fatos eram antigos – e pediram o arquivamento das investigações. No entanto, o juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara federal em Brasília, determinou que o caso fosse retomado.

De acordo com o magistrado, há contradições nos depoimentos dos suspeitos e algumas dúvidas que ainda precisam ser esclarecidas. Por isso, determinou uma série de novas diligências. O processo foi direcionado aos procuradores do grupo de trabalho da Lava-Jato, que devem utilizar as informações levantadas ao longo do inquérito para aprofundar as investigações sobre a conexão entre o petrolão e o mensalão.

No próximo dia 12 de setembro, Marcos Valério deverá prestar depoimento ao juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava-Jato em Curitiba. O operador do mensalão será questionado sobre o empréstimo de 12 milhões de reais feito entre o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, e o banco Schahin.

Segundo o próprio Valério declarou ao MPF em 2012, uma parte dos recursos foi utilizada para comprar o silêncio de Ronan Maria Pinto, empresário que ameaçava envolver dirigentes do PT com o assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel, em janeiro de 2002. Investigadores da Lava-Jato acreditam que, de um jeito ou de outro, todos esses esquemas estejam relacionados entre si — e sob o comando de Lula, que nega as acusações.


Novo governo anuncia mudanças no acesso ao Bolsa Família.

A fiscalização mais rigorosa pode levar ao desligamento de 600 mil famílias

Política Redação Piripiri 02 de setembro de 2016 09:21h

Michel Temer assumiu há dois dias e o governo já finaliza um decreto para dificultar o acesso e a permanência no Bolsa Família. Segundo o jornal O Globo, haverá cruzamento com outras bases de dados oficiais no momento da inscrição no programa, para evitar declarações falsas de renda. Além disso, todos os integrantes da família terão que ter CPF - inclusive as crianças - e será reduzida de três para duas vezes a tolerância para que os participantes caiam na "malha fina" e sejam desligados do programa. 

O Bolsa Família atende 50 milhões de pessoas e o governo defende que são necessárias regras mais consistentes de checagem dos critérios exigidos no programa. A fiscalização mais rigorosa pode levar ao desligamento de 600 mil famílias ainda na folha de pagamento de setembro. Mas, essas formas de dificultar o acesso não são novidade. O que há de novo é somente o decreto oficial. Desde maio, quando o presidente Temer assumiu, 916 mil cancelamentos foram realizados (3 meses) . Durante todo o ano de 2015, foram 1,3 milhão de desligamentos. 

A checagem de dados será realizada através do cruzamento com os seguintes órgãos:

  • Relação Anual de Informações Sociais (Rais)
  • Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged)
  • Folha de pagamento do INSS
  • Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape)
  • Guia de Recolhimento do FGTS 
  • Informações à Previdência Social (Gfip)
  • Guia da Previdência Social (GPS).

VEJA TAMBÉM:

Por 61 votos a 20, Dilma Rousseff é definitivamente afastada da presidência.

Presidente interino assume o cargo a partir de agora.

Política Redação Piripiri 31 de agosto de 2016 13:52h

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (31), por 61 votos favoráveis e 20 contrários, o impeachment de Dilma Rousseff. A presidente afastada foi condenada sob a acusação de ter cometido crimes de responsabilidade fiscal – as chamadas "pedaladas fiscais" no Plano Safra e os decretos que geraram gastos sem autorização do Congresso Nacional.

A decisão foi tomada na primeira votação do julgamento final do processo de impeachment. A pedido de senadores aliados de Dilma, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, decidiu realizar duas votações no plenário.

A primeira, analisou apenas se a petista deveria perder o mandato de presidente da República. Na sequência, os senadores irão apreciar se Dilma deve ficar inelegível por oito anos a partir de 1º de janeiro de 2019 e impedida de exercer qualquer função pública. Até a última atualização desta reportagem, a segunda votação ainda não havia sido realizada.

Segundo a assessoria do Supremo, ainda nesta quarta, oficiais de Justiça notificarão a ex-presidente e o presidente em exercício Michel Temer sobre o resultado do julgamento.

Temer deve ser empossado presidente da República ainda nesta quarta, em sessão do Congresso Nacional que será realizada no plenário da Câmara.

Já Dilma deverá desocupar em até 30 dias o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, em Brasília, e terá reduzida para oito servidores sua equipe de assessores, seguranças e motorista.

 Processo de impeachment

A condenação de Dilma se deu após seis dias de julgamento no Senado. Até o impeachment, houve sete votações no Congresso.

O primeiro parecer foi aprovado na comissão especial da Câmara, em 11 de abril de 2016, por 38 a 27.

A autorização para a abertura do processo foi dada em 2 de dezembro de 2015, pelo então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, no mesmo dia em que a bancada do PT decidiu votar pela continuidade do processo de cassação contra ele no Conselho de Ética.

Em 12 de maio, o Senado decidiu afastar Dilma, e Temer assumiu a Presidência interinamente. Desde então, o processo de impeachment passou a ser conduzido pelo presidente do Supremo.

Condenação
O pedido de impeachment contra Dilma, apresentado pelos juristas Miguel Reale Júnior, Janaina Paschoal e Hélio Bicudo, apontou que ela cometeu crime de responsabilidade ao editar três decretos de créditos suplementares sem autorização do Legislativo e ao praticar as chamadas “pedaladas fiscais”, que consistiram no atraso de pagamentos ao Banco do Brasil por subsídios agrícolas referentes ao Plano Safra.

Segundo os juristas – e agora o Congresso – Dilma descumpriu a Lei Orçamentária de 2015 e contraiu empréstimo com instituição financeira que controla – o que é proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Aliados da petista e seus advogados argumentaram, ao longo de todo o processo, que Dilma não cometeu ilegalidade e que não houve dolo ou má-fé na abertura de créditos suplementares. Além disso, que as chamadas “pedaladas” não são empréstimos, mas prestações de serviços cujos pagamentos foram regularizados após orientações do Tribunal de Contas da União (TCU).

A defesa da ex-presidente afirmou ainda que o processo de impeachment foi aberto como ato de “vingança” do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por não ter recebido apoio da bancada do PT para barrar o processo de cassação contra ele.


Brigas políticas no Piauí já deixaram um morto e pelo menos seis feridos

As conversas em bares e na porta de casa podem virar verdadeiras confusões.

Política Redação Piripiri 25 de agosto de 2016 08:54h

Período eleitoral no Piauí é uma época em que muitos eleitores fazem de tudo para defenderem um candidato. As tradicionais conversas em bares e na porta de casa podem virar verdadeiras confusões quando há atrito de opiniões ou dois lados resolvem discutir quem é melhor que o outro. Tem cidade que o simples fato de usar uma roupa que seja da mesma cor usada na campanha de um adversário, já é motivo de confusão. Pior ainda é quando na mesma casa alguém não resolve seguir o mesmo grupo político da família. Já houve casos até de expulsão.

Quando as brigas políticas não passam da barreira das discussões e debates, não há com o que se preocupar. O problema é quando partem para as agressões físicas, ameaças e até assassinato. No Piauí já há uma série de casos em que os posicionamentos políticos partiram para lesões corporais graves e até morte.

Confira a seguir os principais casos que aconteceram no período eleitoral deste ano:

CASOS DE FAMÍLIA
Antes mesmo das convenções, as disputas eleitorais já estavam desenhadas em muitos municípios e as primeiras brigas também. Em abril, na cidade de Miguel Leão, a ex-vereadora Jaqueleide acusou o próprio irmão, Jaílson, que é vice-prefeito, de tê-la espancado por divergências políticas. Jaílson chegou a prestar depoimento na Delegacia da Mulher e negou a agressão, mas confirmou a discussão.

AGRESSÕES ENTRE CANDIDATOS
Que a disputa política entre o prefeito de Curimatá Reidan Kléber e o ex-prefeito Valdecir Júnior é acirrada, todos daquela região já sabem. No mês de junho os dois teriam se agredido fisicamente após uma discussão. Eles teriam saído aos tapas durante a festa de vaqueja em Parnaguá, município vizinho. Durante as agressões o prefeito Reidan Kléber teria saído com a camisa rasgada e o ex-prefeito Valdecir Júnior teria se ferido e teria sido levado ao hospital. Os dois se enfrentam na disputa pela Prefeitura.

BRIGA ENTRE AMIGOS TERMINA EM MORTE
NO dia 6 de agosto, na cidade de Batalha, um homem identificado como Geraldo teria atropelado com um carro, um jovem identificado como Lucídio, que seria seu amigo. Populares informaram que os dois estavam falando sobre política quando houve o desentendimento. Lucídio saiu de motocicleta e o motorista o acompanhou, conseguindo atingi-lo logo em seguida. Com o impacto, a vitima foi lançada por vários metros, vindo a óbito no local pela gravidade dos ferimentos. Já veículo caiu na cavidade do pontilhão e o motorista ficou gravemente ferido, sendo levado às pressas para Teresina.

DUPLA TENTATIVA DE HOMICÍDIO
O radialista Jhony Batista, que é correspondente do 180graus em Guaribas, e sua esposa Edina Santos, foram baleados na manhã do dia 9 de agosto. O crime teria motivação política e os suspeitos estão sendo procurados pela polícia. O prefeito Claudinê Matias, para quem Jhony trabalhava como assessor, afirmou que o crime teve sim motivação política e atribuiu autoria ao grupo adversário, comandado pelo seu tio que é ex-prefeito. As vítimas foram abordadas próximo o local onde Jhony trabalhava. Os atiradores estavam em uma motocicleta, e com os rostos cobertos. O radialista foi alvejado no ombro e nas costelas, e Edina foi atingida com tiros no peito e nos braços.

FOI FAZER CAMPANHA E FOI ESFAQUEADO
O vigilante identificado como Augusto César, 42 anos, foi esfaqueado no último sábado (20/08) no município de Boa Hora antes de uma concentração política do atual prefeito e candidato a reeleição Zé Rezende (PT). Segundo informações de testemunhas, o suspeito de ter desferido os golpes de faca, que é simpatizante do candidato da oposição, teria iniciado uma discussão com o vigilante, resultando no crime.

AGRESSÃO NA CÂMARA DE VEREADORES
O caso mais recente aconteceu no município de Barra D'Alcântara. Um homem identificado como Fransualves acusa o presidente da Câmara, Doninho, que é candidato a vice-prefeito do município, de tê-lo agredido após uma sessão que terminou em discussão política. O homem, que tem deficiência visual em um dos olhos, diz que a agressão aconteceu nas dependências da Câmara. Ele registrou boletim de ocorrência e fez exame de corpo e delito em Teresina.

Texto e pesquisa: Jhone Sousa/180Graus

TRE-PI realizará seminários de contas eleitorais em Piripiri

O evento acontecerá a partir das 09h no auditório da UESPI.

Política Redação Piripiri 25 de agosto de 2016 08:35h

O Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, através da Coordenadoria de Controle Interno, realizará seminários de contas eleitorais 2016 nos dias 25 e 30 de agosto, nos municípios de Valença do Piauí e Piripiri.

Os seminários têm como objetivo orientar representantes de partidos políticos, contadores, advogados, candidatos e demais pessoas interessadas quanto aos temas arrecadação de recursos, realização de gastos de campanha eleitoral e prestação de contas de campanha eleitoral 2016.

O evento acontecerá a partir das 09h, conforme cronograma abaixo:

Piripiri - 30/08/16 - Universidade Estadual do Piauí (UESPI) - Auditório  do Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores (LIFE).


Quase 20% dos candidatos do Piauí não possuem ensino fundamental

Pelo menos 15 candidatos a prefeito e 400 a vereadores mal sabem ler e escrever.

Política Redação Piripiri 24 de agosto de 2016 10:23h

As estatísticas de escolaridade dos candidatos divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revelam que 19,87% dos políticos que solicitaram registro de candidatura no Piauí não possuem sequer o ensino fundamental completo. O percentual corresponde a 1.983 candidatos nos 224 municípios do estado.

Entre os candidatos que não possuem o ensino fundamental, 23% declaram saber apenas ler e escrever. A grande maioria dos políticos sem o ensino fundamental é composta de candidatos a vereador, que correspondem a 92,48% do total. Os dados mostram ainda que 2,52% são candidatos a prefeito e 5,14% de candidatos a vice.

Pelo menos 15 candidatos a prefeito no Piauí e mais de 400 postulantes ao cargo de vereador sabem mal ler e escrever. Conforme as estatísticas divulgadas pelo TSE até o final da manhã desta segunda-feira (22), quase 10 mil pessoas solicitaram registro de candidatura em todo o estado.

Um dos municípios com os índices de baixa escolaridade mais elevados entre os candidatos é Caraúbas do Piauí. Por lá, 45,45% dos políticos com pedido de registro de candidatura solicitado junto à Justiça Eleitoral não possuem o ensino fundamental completo. Ao todo são 15 dos 33 candidatos do município de Caraúbas.

Outros dados
O município de Caraúbas do Piauí possui o maior índice de eleitores analfabetos do estado. Segundo TSE, a cidade tem 4.388 eleitores e 1.338 são analfabetos, o que corresponde a 30,49%. Se considerada a média de votos dos vereadores eleitos na última eleição municipal, a parcela eleitores analfabetos é necessária para eleger praticamente a metade do Poder Legislativo de Carúbas, composto por nove parlamentares.

Com informações do G1.com/piaui

Homem é esfaqueado após discussão motivada por política na cidade de Boa Hora.

Enquanto os candidatos buscam o poder, seus eleitores tentam se matar.

Política Redação Piripiri 23 de agosto de 2016 10:18h

Uma discussão motivada por disputa política terminou com um homem esfaqueado na cidade de Boa Hora. A vítima identificada por Augusto César, 42 anos, recebeu três golpes de faca na região tórax e pulmão. O acusado fugiu após o crime e é procurado pela polícia. 

Augusto César é vigia em uma Unidade Básica de Saúde e estaria realizando campanha para o candidato a prefeito Zé Resende (PT). Uma rápida discursão entre ele e o acusado identificado por João Pelé, que seria eleitor do candidato Francieudo Carvalho (PSD), resultou na agressão. 

De acordo com o comandante do Agrupamento de Polícia Militar (GPM), Cabo Orleâncio, a discussão resultou no acusado sacando uma faca e desferindo três golpes na vítima. “Estavam em campanha quando um (vítima) foi passar pelo outro (acusado) e houve a discussão e as facadas. Foram três facadas; uma bem próxima ao coração”, disse. 

Augusto foi levado para o Hospital Regional de Campo Maior e logo depois transferido para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT), onde foi submetido a um procedimento cirúrgico. Pessoas próximas a vítima afirmam que o estado de saúde do vigia é grave. 

A policia foi acionada por populares, mas Pelé terminou fugindo do município. O comandante do GPM afirma que os policias encontram-se em diligência. Cabo Orleâncio revelou que a polícia tem o paradeiro do acusado e que efetuará a prisão nas próximas horas. 

Com informações do Campo Maior em Foco

Ministro Teori autoriza inquérito contra Dilma e Lula por obstrução da Justiça.

Com a autorização, PGR e Polícia Federal poderão conduzir investigação.

Política Redação Piripiri 17 de agosto de 2016 09:19h

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura do inquérito contra a presidente afastada, Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dois ex-ministros do governo da petista, segundo fontes com acesso à investigação. Em despacho desta segunda-feira (15), o ministro autorizou a realização de diligências no caso - andamento processual que é praxe após a abertura das investigações. O caso é mantido sob extremo sigilo no STF.

Em junho, Teori encaminhou de volta ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o pedido de investigação feito pelo Ministério Público. Na ocasião, o ministro informou ao procurador-geral que havia anulado a gravação em que Lula e Dilma conversavam sobre a entrega do termo de posse do petista como ministro da Casa Civil. O diálogo é um dos indícios considerados por Janot como indicativo da tentativa de obstrução de justiça.

A PGR quer investigar suposta tentativa de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato pela presidente afastada e pelo ex-presidente e também pelos ex-ministros Aloizio Mercadante e José Eduardo Cardozo. O pedido de investigação foi encaminhado ao STF em maio.

Com a autorização de Teori, PGR e Polícia Federal (PF) poderão conduzir investigações com objetivo de conseguir provas de que houve tentativa de obstruir a Lava Jato. Após a realização de diligências, a PGR pode pedir o arquivamento da investigação - se entender que não há indicativos concretos de crime - ou oferecer uma denúncia ao STF, que é uma acusação formal.

Obstrução
Para os investigadores, a nomeação de Lula para a chefia da Casa Civil fazia parte de um "cenário" em que foram identificadas diversas tentativas de atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato.

No áudio gravado, e considerado inválido por Teori, Dilma promete entregar ao ex-presidente o termo de posse como ministro para que Lula usasse "em caso de necessidade". A conversa é vista por investigadores como indicativo de que a nomeação para o ministério tinha a intenção de conferir ao ex-presidente foro privilegiado e, por isso, evitar um decreto de prisão pelo juiz que conduz a Lava Jato em Curitiba, Sérgio Moro.

Ao Supremo, Janot defendeu a continuidade das investigações mesmo após a anulação do áudio entre Dilma e Lula por Teori. Para os investigadores, há outros indícios que fundamentam a investigação.

Leia mais...

UOL Notícias