Política

208 processos de corrupção tramitam há mais de 10 anos no Piauí

Pelo menos cinco ações ainda são da década de 1990.

Política Redação Piripiri 07 de dezembro de 2016 10:32h

O crime pode compensar quando se trata de corrupção. No Piauí, pelo menos 208 ações de improbidade administrativa já tramitam há mais de uma década na justiça estadual. O levantamento foi realizado pelo Tribunal de Justiça do Piauí, a pedido da Força Tarefa Popular (FTP), uma articulação da sociedade civil. Com base nesses dados, pelo menos cinco ações ainda são da década de 90, algumas delas com mais de duas décadas de existência. 

Segundo o coordenador da FTP, Arimateia Dantas, a demora no julgamento dos processos chega ao limite da conivência. “Isso beneficia a corrupção, quando existe o risco de prescrever o crime. A consequência é a impunidade e o estímulo para novas práticas delituosas”, avalia.

Arimateia Dantas destaca um processo que tramita na comarca de Simplício Mendes. A ação foi ajuizada em 1999, mas o crime ocorreu em 1992. “O caso foi remetido ao Ministério Público em 2010 e ficou parado até janeiro de 2016. É uma das situações mais emblemáticas, que ilustram essa demora no andamento dos casos”, destaca.

Na próxima sexta-feira (06), quando se comemora o Dia Internacional de Combate à Corrupção, o representante da Força Tarefa Popular participará de uma audiência com o Corregedor do Tribunal de Justiça, Ricardo Gentil Eulálio Dantas. O objetivo é tratar sobre a campanha “Ações de improbidade, julgamento já!”, que tem o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil.

Até janeiro deste ano, 15 comarcas foram listadas como as que possuem maior quantidade de processos antigos. Bom Jesus é a principal, com 37 ações tramitando, sendo muitas delas do ano de 2005. Canto do Buriti aparece em segundo lugar, com 35 processos, sendo alguns de 2001.

As demais comarcas que entraram no ranking são Cristino Castro, Socorro do Piauí, Capitão de Campos, São Miguel do Tapuio, Socorro do Piauí, Eliseu Martins, São Raimundo Nonato, Avelino Lopes, Anísio de Abreu, Curimatá, Luís Correia, Gilbués e Teresina. Todas elas têm ações de 2001, com exceção de Luís Correia, onde tramitam processos de 2002.

Por: Nayara Felizardo / Jornal O Dia / com informações do TJ-PI