Notas Musicais

Fox libera primeiro Trailer de Deadpool

Aguardado entusiasmadamente pelos fãs da Marvel

Notas Musicais Thiago Lustosa 03 de agosto de 2015 20:29h

Isso mesmo, a 20th Century Fox acaba de lançar o “teaser” do primeiro trailer do filme do Deadpool, que será lançado amanhã. Confira!

Baseado no menos convencional anti-herói da Marvel Comics, Deadpool contará a história de origem do ex-Agente das Forças Especiais, Wade Wilson. Após ser cobaia em um experimento ilegal, recebe incríveis poderes de regeneração e adota o alter ego de Deadpool. Armado com suas novas habilidades e um senso de humor ácido, Deadpool está a procura do homem que quase destruiu sua vida.

“Em um mundo divido pelo medo, um homem deve se levantar contra as forças das trevas. Do estúdio que inexplicavelmente mostrou esse filho da puta com a boca fechada da primeira vez, vem aí o cara que assistiu CINCO vezes ao Oscar, Ryan Reynolds. Senhoras e senhores, eu lhes apresento: Eu mesmo, Deadpool. Então se preparem para explodir, porque o meu trailer está vindo… Amanhã!”


Série Game of Thrones pode ir até a oitava temporada

Uma das séries de maior sucesso na atualidade

Notas Musicais Thiago Lustosa 30 de julho de 2015 21:01h

Durante o evento TCA nos EUA, o presidente de programação da HBO, Michael Lombardo, disse queGame of Thrones deve ter oito temporadas no total. "Estamos rodando o ano seis e discutindo o sete. Acho que pelo feeling dos produtores [da série], teremos mais duas temporadas depois da sexta. Espero que eles mudem de ideia, mas é nisso que estamos trabalhando no momento", diz.

Questionado se estaria aberto à possibilidade de uma série que servisse de prelúdio para Game of Thrones, Lombardo também se disse disposto a receber o que os produtores D.B. Weiss e David Benioff tivessem a oferecer. "Estou aberto a qualquer coisa que Dan e David sugerissem fazer, mas ainda não falamos disso", diz.


Série Game of Thrones pode ir até a oitava temporada

Uma das séries de maior sucesso na atualidade

Notas Musicais Thiago Lustosa 30 de julho de 2015 21:01h

Durante o evento TCA nos EUA, o presidente de programação da HBO, Michael Lombardo, disse queGame of Thrones deve ter oito temporadas no total. "Estamos rodando o ano seis e discutindo o sete. Acho que pelo feeling dos produtores [da série], teremos mais duas temporadas depois da sexta. Espero que eles mudem de ideia, mas é nisso que estamos trabalhando no momento", diz.

Questionado se estaria aberto à possibilidade de uma série que servisse de prelúdio para Game of Thrones, Lombardo também se disse disposto a receber o que os produtores D.B. Weiss e David Benioff tivessem a oferecer. "Estou aberto a qualquer coisa que Dan e David sugerissem fazer, mas ainda não falamos disso", diz.


O Novo Disco de Maria Gadú

Novo álbum da cantora esta melhor que seu antecessor

Notas Musicais Thiago Lustosa 27 de julho de 2015 18:56h

Surfando nas águas da world music e pagando menos tributo à MPB e aos ritmos brasileiros, a cantora e compositora Maria Gadú afirma que a maturidade que vive atualmente, com o terceiro disco da carreira, Guelã, é mais pessoal que musical. Ela conta que os últimos quatro anos na estrada foram muito “apoteóticos” e que hoje encara as coisas de forma menos displicente. “A disciplina é uma coisa madura”, declara.

“Guelã” é um nome enigmático. Esconde um conceito?
Tem um conceito de amarração, sobretudo sonora. Primeiro, eu tenho adoração por outras identidades de fonemas, desde “Shimbalaiê”, que não tem um significado, mas ainda assim tem esse lance fonético. “Paracuti”, outra palavra que inventei, também não tem sentido algum. Eu tenho adoração por essa fonética mais “xamânica”, e isso tem a ver com Guelã.

Dá para dizer que esse disco está menos MPB?
O meu trabalho até agora tinha um quê cultural nacional, mais aterrado com os ritmos. Sempre tive essa coisa mais folclórica brasileira. Neste álbum, os timbres e a rítmica ficaram menos folclóricos, e talvez remetam mais a outros lugares, não sei. São milhares de influências. Eu tenho ouvido muita música internacional nestes últimos tempos.

O que você tem ouvido?
Eu ouço Yael Naim, uma menina israelense, e Ibeyi, que são gêmeas franco-cubanas. Nesse meio tem também Mayra Andrade. Eu passo longas temporadas com ela. A gente divide muito som e ela me apresentou muita coisa legal.


Por que você gravou “Trovoa”, a única no disco que não é de sua autoria?
Em 2011, eu e o [produtor e jornalista] Marcus Preto estávamos na casa de uma amiga comentando o show Recanto, da Gal Costa, a que tínhamos assistido e com o qual estávamos muito emocionados. Marcus me disse: “Você tem que ouvir ‘Trovoa’, do Maurício Pereira, que tem tudo a ver com o que você está vivendo agora”. Daí eu fiquei ouvindo a música umas sete horas em looping, chorando. Foi a primeira canção do disco e eu nem sabia que ia gravar naquele momento... se fosse fazer alguma coisa, “Trovoa” seria o meu ponto de partida. Ela acabou sendo gravada em um único take.

Mas para ter essa naturalidade você deve ter ensaiado muito?
Na verdade, nada foi ensaio. Apenas tive vontade de ficar cantando “Trovoa”. E a letra entrou no meu coração como uma foice. Sabe quando você não faz o exercício de decorar e a letra pertence ao seu sentimento? Eu senti que ela pertencia a tudo o que eu sentia, então não tive dificuldades de memorizar. Ela foi genuinamente entrando em mim. Quando percebi, já tinha decorado.

Você acha que é uma música que vai funcionar em palco?
Entre as pessoas que acompanham o meu trabalho, sei que muitas delas não conhecem o Maurício Pereira. Através das redes sociais, contudo, muitos têm comentado "é a minha música favorita do disco". Estou surpresa com essa aceitação e com o entendimento dos fãs.


Mais de 2 milhões de pessoas que te seguem nas redes sociais... 
É muita gente né? Tenho consciência da responsabilidade do que significa isso. São mais de 2 milhões de pessoas interessadas na minha vida como um todo. Tem gente querendo saber qual é o sapato que eu está usando, os planos de interesse vão se confundindo. Da mesma forma que existe o interessa na música, também há um interessa na minha vida pessoal. Isso é um balé. Você ocupa um lugar diferente que causa curiosidade e tem muito um quê de idolatria, sei lá, porque sou gay, sou isso, sou aquilo, sou casada com uma mulher e assumo isso sem problemas.

E aquele público que fica na primeira fila e canta junto. Quem são essas pessoas?
Eu vejo que esses fãs estão sempre se renovando e, para mim, isso é muito especial. Eu acho incrível, mas, ao mesmo tempo, eu me preocupo com eles. Fico o tempo todo de olho para verificar se está tudo bem durante o show. Já vivi isso do outro lado da grade. É um público interessado em música e fico feliz com isso. Quando eu vou a shows de vários amigos meus, como Dani Black, Tulipa Ruiz e Leo Cavalcanti, percebo que eles também estão lá curtindo, compartilhando e consumindo música. Afora essa idolatria pessoal, há um interesse mútuo na minha geração e no que estamos falando. Acho isso tão bonito!

Você vê meninas copiando o seu cabelo e a sua roupa? Você muda sempre, é camaleônica.
Muitas! Copiam o cabelo, o modelo dos óculos, a correntinha, o estilo da roupa e a tatuagem. Eu acho isso um barato.

Como aconteceu o primeiro contato com o Caetano Veloso?
Enquanto eu gravava meu disco de estreia, fiz uma temporada de shows no Rio de Janeiro, no Cinemathèque, um lugar pequeníssimo para umas 100 pessoas no máximo. O Caetano esteve em uma dessas apresentações. Ele entrou no camarim e me lascou um beijo na boca, assim do nada... que situação, eu queria morrer! Sou muito fã dele. Aquele momento de ousadia implantou uma intimidade entre a gente e começamos a desenhar uma amizade linear.

E você já cantava coisas dele?
Sempre! Daquele dia em diante nós começamos a nos falar direto, nos encontrávamos com frequência e íamos a shows juntos. Então surgiu um convite para uma apresentação de inauguração de uma sala da Globosat. Eles queriam o Caetano e uma pessoa da nova geração, que estava pintando. Foi então que concretizamos um plano sonoro. O projeto acabou se tornando um show.

Você já consegue falar com a Marisa Monte sem chorar?
Isso é uma coisa que eu venho atravessando na minha vida, mas já. A Marisa é sempre muito receptiva comigo. Isso virou uma meta, me destravar. Eu estive com ela agora e foi tudo tranquilo.

Cantou muito “Bem que se Quis” em bares?
Acho que esta foi a música que menos cantei, aliás, acho que nunca cantei essa. Que loucura! Eu sei executar toda a obra da Marisa, só que eu cantava muitas coisas do disco Mais, especialmente “Diariamente” e “Alta Noite” que eu adoro.

Como o pessoal da nova geração musical chega até você?
Na verdade, nós somos todos da mesma turma. Dani Black, por exemplo, é meu amigo desde a adolescência. Tem o lance de ser da mesma turma e de se conhecer de muitos anos. Somos jovens unidos! 


por ANTÔNIO DO AMARAL ROCHA

Lista de indicados ao premio Emmy liderada por Game of Thrones

Maior premiação da Tv Americana

Notas Musicais Thiago Lustosa 16 de julho de 2015 20:19h

A série "Game of Thrones" liderou as indicações do  67º Emmy Awards, em anúncio feito pelo canal Fox nesta quinta-feira (16). A cerimônia foi apresentada por Uzo Aduba, da série "Orange is the New Black", e Cat Deeley, do programa "So You Think You Can Dance". 

"GOT" foi indicada em 24 categorias, incluindo na de Melhor Série Dramática. As séries "Orange is the New Black", "House of Cards",  "Homeland" e "Downton Abbey" também foram indicadas na mesma categoria. "Game of Thrones" nunca venceu uma categoria principal no Emmy, levando a melhor principalmente em quesitos técnicos. Em 2011, o ator Peter Dinklage ganhou a estaueta do Emmy como Melhor Ator Coadjuvante pelo personagem Tyrion Lannister.

A minissérie "Olive Kitteridge", também do canal HBO, e "American Horror Story: Freak Show", do FX, foram indicadas a 19 e 13 categorias, respectivamente. Outra série que pode fazer história no Emmy é "Modern Family", cinco vezes ganhadora do prêmio de melhor série cômica e novamente indicada este ano. Se vencer, a série protagonizada pela colombiana Sofia Vergara bateria o recorde de "Frasier".

Já pelo troféu de melhor comédia concorrem ainda "Louie", "Parks and Recreation", "Silicon Valley", "Transparent", "Unbreakable Kimmy Schmidt" e "Veep".

A surpresa da apresentação dos indicados deste ano ficou por conta da atriz Uzo Aduba e da apresentadora Cat Deeley, que foram indicadas ao vivo nas categorias de melhor atriz coadjuvante de série dramática e melhor apresentadora de competição de reality show.  

A cerimônia da 67ª edição dos Emmy se realizará em 20 de setembro no teatro Microsoft (Los Angeles) e será apresentada pelo comediante Andy Samberg, ganhador do Globo de Ouro ano passado de melhor ator de comédia ou musical em televisão por seu trabalho em "Brooklyn Nine-Nine". 

Veja a seguir a lista com as principais indicações do  67º Emmy Awards

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA

Louie

Modern Family

Parks & Recreation

Silicon Valley

Transparent

Unbreakable Kimmy Schmidt

Veep


MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA

Better Call Saul

Downton Abbey

Game of Thrones

Homeland

House of Cards

Mad Men

Orange Is The New Black

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA

Kyle Chandler ("Bloodline")

Jeff Daniels ("The Newsroom")

Jon Hamm ("Mad Men")

Bob Odenkirk ("Better Call Saul")

Liev Schreiber ("Ray Donovan")

Kevin Spacey ("House of Cards")

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA

Claire Danes ("Homeland")

Viola Davis ("How to Get Away With Murder")

Taraji P. Henson ("Empire")

Tatania Maslany ("Orphan Black")

Elisabeth Moss ("Mad Men")

Robin Wright ("House of Cards")

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA

Jonathan Banks ("Better Call Saul")

Ben Mendelsohn ("Bloodline")

Jim Carter ("Downton "Abbey")

Peter Dinklage ("Game of Thrones")

Michael Kelly ("House of Cards")

Alan Cumming ("The Good Wife")

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA

Joanne Froggatt ("Downton Abbey")

Lena Headey ("Game of Thrones")

Emilia Clarke ("Game of Thrones")

Christina Hendricks ("Mad Men")

Uzo Aduba ("Orange Is the New Black")

Christine Baranski ("The Good Wife")

MELHOR ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA

Alan Alda ("The Blacklist")

Michael J Fox ("The Good Wife")

F. Murray Abraham ("Homeland")

Reg E. Cathey ("House of Cards")

Beau Bridges ("Masters of Sex")

Pablo Schreiber ("Orange Is the New Black")

MELHOR ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA

Diana Rigg ("Game of Thrones")

Rachel Brosnahan ("House of Cards")

Cicely Tyson ("How to Get Away With Murder")

Allison Janney ("Masters of Sex")

Khandi Alexander ("Scandal")

Margo Martindale ("The Americans")


MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Maggie Gyllenhaal ("The Honorable Woman")

Felicity Huffman ("American Crime")

Jessica Lange ("American Horror Story: Freak Show")

Queen Latifah ("Bessie")

Frances McDormand ("Olive Kitteridge")

Emma Thompson ("Sweeney Todd: The Demon Barber Of Fleet Street")

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA 

Anthony Anderson Blackish  ("Black-ish")

Louis C.K. ("Louie")

Don Cheadle ("House of Lies")

Will Forte ("Last Man on Earth")

Matt LeBlanc ("Episodes")

William H. Macy ("Shameless")

Jeffrey Tambor ("Transparent")

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA

Lisa Kudrow ("The Comeback")

Lily Tomlin ("Grace And Frankie")

Amy Schumer ("Inside Amy Schumer")

Edie Falco ("Nurse Jackie")

Amy Poehler ("Parks And Recreation")

Julia Louis-Dreyfus ("Veep")

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA

Niecy Nash ("Getting On")

Julie Bowen ("Modern Family")

Allison Janney ("Mom")

Kate McKinnon ("Saturday Night Live")

Mayim Bialik ("The Big Bang Theory")

Gaby Hoffmann ("Transparent")

Jane Krakowski ("Unbreakable Kimmy Schmidt")

Anna Chlumsky ("Veep")

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA

Andre Braugher ("Brooklyn Nine-Nine")

Adam Driver ("Girls")

Ty Burrell ("Modern family")

Tony Hale ("Veep")

Keegan-Michael Key ("Key & Peele")

Tituss Burgess ("Unbreakable Kimmy Schmidt")

MELHOR ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA

Gaby Hoffmann ("Girls")

Pamela Adlon ("Louie")

Elizabeth Banks ("Modern Family")

Joan Cusack ("Shameless")

Christine Baranski ("The Big Bang Theory")

Tina Fey ("Unbreakable Kimmy Schmidt")

MELHOR ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA

Mel Brooks ("The Comedians")

Paul Giamatti ("Inside Amy Schumer")

Bill Hader ("Saturday Night Live")

Louis C.K. ("Saturday Night Live")

Bradley Whitford ("Transparent")

Jon Hamm ("Unbreakable Kimmy Schmidt")



Lista de indicados ao premio Emmy liderada por Game of Thrones

Maior premiação da Tv Americana

Notas Musicais Thiago Lustosa 16 de julho de 2015 20:19h

A série "Game of Thrones" liderou as indicações do  67º Emmy Awards, em anúncio feito pelo canal Fox nesta quinta-feira (16). A cerimônia foi apresentada por Uzo Aduba, da série "Orange is the New Black", e Cat Deeley, do programa "So You Think You Can Dance". 

"GOT" foi indicada em 24 categorias, incluindo na de Melhor Série Dramática. As séries "Orange is the New Black", "House of Cards",  "Homeland" e "Downton Abbey" também foram indicadas na mesma categoria. "Game of Thrones" nunca venceu uma categoria principal no Emmy, levando a melhor principalmente em quesitos técnicos. Em 2011, o ator Peter Dinklage ganhou a estaueta do Emmy como Melhor Ator Coadjuvante pelo personagem Tyrion Lannister.

A minissérie "Olive Kitteridge", também do canal HBO, e "American Horror Story: Freak Show", do FX, foram indicadas a 19 e 13 categorias, respectivamente. Outra série que pode fazer história no Emmy é "Modern Family", cinco vezes ganhadora do prêmio de melhor série cômica e novamente indicada este ano. Se vencer, a série protagonizada pela colombiana Sofia Vergara bateria o recorde de "Frasier".

Já pelo troféu de melhor comédia concorrem ainda "Louie", "Parks and Recreation", "Silicon Valley", "Transparent", "Unbreakable Kimmy Schmidt" e "Veep".

A surpresa da apresentação dos indicados deste ano ficou por conta da atriz Uzo Aduba e da apresentadora Cat Deeley, que foram indicadas ao vivo nas categorias de melhor atriz coadjuvante de série dramática e melhor apresentadora de competição de reality show.  

A cerimônia da 67ª edição dos Emmy se realizará em 20 de setembro no teatro Microsoft (Los Angeles) e será apresentada pelo comediante Andy Samberg, ganhador do Globo de Ouro ano passado de melhor ator de comédia ou musical em televisão por seu trabalho em "Brooklyn Nine-Nine". 

Veja a seguir a lista com as principais indicações do  67º Emmy Awards

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA

Louie

Modern Family

Parks & Recreation

Silicon Valley

Transparent

Unbreakable Kimmy Schmidt

Veep


MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA

Better Call Saul

Downton Abbey

Game of Thrones

Homeland

House of Cards

Mad Men

Orange Is The New Black

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA

Kyle Chandler ("Bloodline")

Jeff Daniels ("The Newsroom")

Jon Hamm ("Mad Men")

Bob Odenkirk ("Better Call Saul")

Liev Schreiber ("Ray Donovan")

Kevin Spacey ("House of Cards")

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA

Claire Danes ("Homeland")

Viola Davis ("How to Get Away With Murder")

Taraji P. Henson ("Empire")

Tatania Maslany ("Orphan Black")

Elisabeth Moss ("Mad Men")

Robin Wright ("House of Cards")

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA

Jonathan Banks ("Better Call Saul")

Ben Mendelsohn ("Bloodline")

Jim Carter ("Downton "Abbey")

Peter Dinklage ("Game of Thrones")

Michael Kelly ("House of Cards")

Alan Cumming ("The Good Wife")

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA

Joanne Froggatt ("Downton Abbey")

Lena Headey ("Game of Thrones")

Emilia Clarke ("Game of Thrones")

Christina Hendricks ("Mad Men")

Uzo Aduba ("Orange Is the New Black")

Christine Baranski ("The Good Wife")

MELHOR ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA

Alan Alda ("The Blacklist")

Michael J Fox ("The Good Wife")

F. Murray Abraham ("Homeland")

Reg E. Cathey ("House of Cards")

Beau Bridges ("Masters of Sex")

Pablo Schreiber ("Orange Is the New Black")

MELHOR ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA

Diana Rigg ("Game of Thrones")

Rachel Brosnahan ("House of Cards")

Cicely Tyson ("How to Get Away With Murder")

Allison Janney ("Masters of Sex")

Khandi Alexander ("Scandal")

Margo Martindale ("The Americans")


MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Maggie Gyllenhaal ("The Honorable Woman")

Felicity Huffman ("American Crime")

Jessica Lange ("American Horror Story: Freak Show")

Queen Latifah ("Bessie")

Frances McDormand ("Olive Kitteridge")

Emma Thompson ("Sweeney Todd: The Demon Barber Of Fleet Street")

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA 

Anthony Anderson Blackish  ("Black-ish")

Louis C.K. ("Louie")

Don Cheadle ("House of Lies")

Will Forte ("Last Man on Earth")

Matt LeBlanc ("Episodes")

William H. Macy ("Shameless")

Jeffrey Tambor ("Transparent")

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA

Lisa Kudrow ("The Comeback")

Lily Tomlin ("Grace And Frankie")

Amy Schumer ("Inside Amy Schumer")

Edie Falco ("Nurse Jackie")

Amy Poehler ("Parks And Recreation")

Julia Louis-Dreyfus ("Veep")

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA

Niecy Nash ("Getting On")

Julie Bowen ("Modern Family")

Allison Janney ("Mom")

Kate McKinnon ("Saturday Night Live")

Mayim Bialik ("The Big Bang Theory")

Gaby Hoffmann ("Transparent")

Jane Krakowski ("Unbreakable Kimmy Schmidt")

Anna Chlumsky ("Veep")

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA

Andre Braugher ("Brooklyn Nine-Nine")

Adam Driver ("Girls")

Ty Burrell ("Modern family")

Tony Hale ("Veep")

Keegan-Michael Key ("Key & Peele")

Tituss Burgess ("Unbreakable Kimmy Schmidt")

MELHOR ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA

Gaby Hoffmann ("Girls")

Pamela Adlon ("Louie")

Elizabeth Banks ("Modern Family")

Joan Cusack ("Shameless")

Christine Baranski ("The Big Bang Theory")

Tina Fey ("Unbreakable Kimmy Schmidt")

MELHOR ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA

Mel Brooks ("The Comedians")

Paul Giamatti ("Inside Amy Schumer")

Bill Hader ("Saturday Night Live")

Louis C.K. ("Saturday Night Live")

Bradley Whitford ("Transparent")

Jon Hamm ("Unbreakable Kimmy Schmidt")



25 anos sem Cazuza

Poeta do rock nacional lutou até o fim contra o HIV

Notas Musicais Thiago Lustosa 07 de julho de 2015 20:42h

Cazuza foi um artista que encarou a aids e ajudou a quebrar tabus em uma época em que a doença dizimava multidões em todo o mundo, fazendo vítimas também no meio artístico brasileiro, como o cartunista Henfil (em 1988) e o ator Lauro Corona (em 1989). Além da bravura pessoal com que enfrentou duros tratamentos de combate ao vírus HIV, Cazuza usou sua obra na luta contra a aids. “Fora suas belas canções, o grande legado de Cazuza foi a coragem.

Ele mesmo dizia que, depois da descoberta da aids, parou de olhar para o próprio umbigo e passou a cantar o seu país”, conta Lucinha Araújo, mãe do artista. Ela administra há 25 anos a Sociedade Viva Cazuza, instituição aberta em 17 de outubro de 1990 para cuidar de crianças infectadas com o vírus da aids, para manter viva a memória de Cazuza e para lhe ajudar a suportar a dor da perda do filho único. A renda da obra autoral do artista é revertida para a Sociedade, que atualmente cuida de 20 crianças.

Embora já sofresse as consequências da infecção pelo HIV desde julho de 1985, quando precisou ser internado com febre incessante e convulsões, Cazuza somente teve seu diagnóstico confirmado em abril de 1987, quando já promovia seu segundo álbum solo, Só se For a Dois. Tinha 29 anos. Chorou no ombro do amigo Ezequiel Neves, lamentou sua sorte, mas seguiu em frente. Fez o show do novo disco até seguir para o primeiro tratamento, em Boston, nos Estados Unidos. A partir daí, foram sucessivas internações entre a cidade norte-americana e o Brasil. Cazuza encarava a morte e, diante desse quadro, nasceram músicas como “Ideologia” (do verso “Meu prazer agora é risco de vida”), “Boas Novas”, “Brasil” e “Blues da Piedade”. São músicas que o poeta gravaria em seu melhor disco, Ideologia (1988), criado sob os fortes efeitos colaterais do AZT, única droga até então usada no combate ao vírus HIV.


Cazuza admitiu a aids na música (ainda que de forma cifrada) e na vida. “Ele ter assumido foi uma atitude muito corajosa. No fim dos anos 1980, o mundo era outro em relação a essa questão. A barra era pesada”, relata Roberto Frejat. Mas Cazuza enfrentou a barra e, embora cada vez mais fisicamente debilitado, fez turnê nacional com seu mais importante show, O Tempo Não Para, dirigido por Ney Matogrosso. Mesmo com as forças progressivamente minadas, o cantor fez aparições públicas até 2 de junho de 1990. Pouco mais de um mês depois, na manhã de 7 de julho de 1990, morreu na casa dos pais, cercado do amor e dos cuidados da família.

O ano de 2015 marca não apenas os 25 anos da morte de Cazuza mas também os mais de 30 anos do combate à aids no Brasil. “Os últimos dados se referem a até dezembro de 2013. Estimamos ter em torno de 720 mil pessoas com HIV no Brasil e, dessas, 150 mil não sabem”, afirma Fábio Mesquita, diretor do departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. “Segundo os dados mais recentes, compilados até o final de 2014, temos em tratamento mais de 400 mil pacientes.”

Apesar de intensas campanhas de combate à disseminação do vírus, Mesquita afirma que ainda há muito a ser feito. “O desafio está primeiro em fazer diagnósticos em quem tem HIV e não sabe. Por isso, fazer o teste é uma questão importante. Uma coisa que nos chama atenção atualmente é o crescimento do vírus entre a juventude. E tem as questões estruturais, como a homofobia, a transfobia, que são grandes no país – e a população de gays tem risco acrescido.” Existe ainda o problema da transmissão entre usuários de drogas injetáveis. “O Brasil tem uma política de drogas que trabalha muito mais a criminalização do que a questão da saúde


Por: Mauro Ferreira 

A-ha toca em Fortaleza dia 10 de Outubro

Banda clássica dos anos 80'

Notas Musicais Thiago Lustosa 06 de julho de 2015 20:52h

O A-Ha decidiu prolongar a vinda ao Brasil para o Rock in Rio e anunciou apresentações em outras cinco capitais do país. Além do Rio de Janeiro, a banda norueguesa tocará em Brasília, Recife, Fortaleza, São Paulo e Curitiba, no mês de outubro.

O grupo volta ao Brasil com a turnê comemorativa de 30 anos do primeiro disco da carreira,Hunting High and Low, lançado em 1985. Os ingressos para as apresentações começarão a ser vendidos no próximo dia 15, uma quarta-feira (com pré-venda para clientes Samsung Galaxy entre 13 a 15 de julho).

A perna brasileira da turnê do A-Ha começa no Rock in Rio, em 27 de setembro, ocasião em que o grupo se apresenta na mesma noite de Katy Perry, Robyn e Cidade Negra. Em seguida, os noruegueses seguem para Brasília, no Net Live, em 6 de outubro, depois Recife, no Chevrolet Hall, 9 de outubro, Fortaleza (Aquaville Resort), no dia 10, São Paulo (Espaço das Américas), 14, e Curitiba (Curitiba Master Hall), um dia depois.

Recentemente, o A-Ha também anunciou o lançamento do disco Cast in Steel, décimo da carreira da banda, para o ano que vem. O álbum de inéditas dará sucessão a Foot of The Mountain, lançado em 2009.


Letras inéditas de Cazuza serão gravadas e lançadas em breve

25 Anos depois de sua morte fás terão acesso a letras nunca antes gravadas

Notas Musicais Thiago Lustosa 29 de junho de 2015 20:22h

Não é só o relançamento de Exagerado, que acaba de completar 30 anos e ganhou a versão remix 'Exagerado 3.0', que tem feitoCazuza ser mais do que lembrado e festejado 25 anos após a sua morte. No segundo semestre, a Sony lança um CD com músicas inéditas do cantor e compositor, gravadas para algumas das 65 letras que o poeta deixou escritas ao partir precocemente, aos 32 anos, em 1990.

As composições foram gravadas por nomes queridos de Cazuza, como Bebel Gilberto – parceira de Eu Preciso Dizer que Te Amo -,Caetano Veloso, Leoni, e Seu Jorge, entre outros.


Tom Cruise confirma acerto para sequencia de Top Gun

Ases Indomáveis terá sequencia

Notas Musicais Thiago Lustosa 29 de junho de 2015 20:19h

O presidente da produtora Skydance, David Ellison, confirmou nesta segunda-feira, 29, que Tom Cruise voltará ao papel que o alçou ao estrelato. O ator dará vida novamente ao personagem Maverick em Top Gun 2.

A novidade foi divulgada durante um evento de promoção do longa-metragem O Exterminador do Futuro: Gênesis, no qual Ellison afirmou que a continuação de Top Gun: Ases Indomáveis retratará as novidades no campo da guerra aérea com o uso de drones.

"Há um papel maravilhoso para Maverick no filme e não há Top Gun 2 sem o Maverick. O será Maverick interpretando Maverick", afirmou. "Eu não acho que será algo que as pessoas esperam e nós estamos muito, muito esperançosos que possamos fazer o filme muito em breve."

O roteiro, que está sendo escrito por Justin Marks (Street Fighter: A Lenda de Chun-Li), é uma adaptação do mundo do primeiro filme para o que pilotos de combate na marinha se tornaram hoje.

Top Gun: Ases Indomáveis, de 1986, além de ajudar a catapultar a carreira de Cruise, também deu um Oscar ao compositor Giorgio Moroder, que recebeu a estatueta ao lado de Tom Whitlock pela música “Take My Breath Away”.


Nenhum de Nós trás disco de inéditas para celebrar os 30 anos

Uma das bandas gauchas de maior sucesso da geração rock Brasil 80'

Notas Musicais Thiago Lustosa 22 de junho de 2015 20:16h

Banda fechando datas redondas tendem a olhar para o passado. Preparam coletâneas, realizam turnês tocando discos na íntegra e relançam trabalhos. Perto de completar 30 anos, o Nenhum de Nós preferiu olhar para o futuro com o inédito Sempre É Hoje.

Inicialmente planejado como um EP de cinco músicas, acabou virando um disco completo em meros 10 dias, com previsão de lançamento digital para o final desta semana. A banda cai na estrada para divulgar o trabalho começando por São Paulo, no dia 2 de julho. Em Porto Alegre, o Nenhum se apresenta no dia 24 de julho, no Teatro do Bourbon Country.

A gravação do 16º álbum da carreira do grupo foi em um estúdio na serra gaúcha, onde o quinteto buscou atender a demandas internas e externas, como explica o guitarrista Carlos Stein:

– Além de termos uma necessidade constante de botar material inédito na praça, somos cobrados pelos nossos fãs. Não são poucas as vezes em que alguém pede para renovarmos o setlist.


O acordeonista e tecladista João Vicenti concorda:

– Somos movidos a criação, então fazemos uma turnê pensando no próximo disco.

Ao DNA da banda (letras contemplativas + instrumental sólido), Sempre É Hoje atesta a busca constante do Nenhum de Nós para continuar ativo e relevante no cenário do pop rock brasileiro. A exemplo de discos anteriores, foram somados ao quinteto original parceiros que trouxeram um novo olhar sobre o som do grupo. Um deles foi o produtor JR Tolstoi.

– Depois de 30 anos juntos, tomamos certos atalhos que são naturais. O Tolstoi, apesar de conhecer a nossa música, trouxe esse senso de renovação, porque tem esse olhar de fora – comenta o baterista Sady Homrich.

A mixagem, a cargo do menino prodígio João Milliet, veio por indicação de Lucas Silveira, da Fresno – e é encarada pelo vocalista Thedy Corrêa como um destemor típico do Nenhum:

– Sempre tivemos a cabeça aberta para coisas novas. Ao longo dos anos, trabalhamos com muita gente diferente e testamos sonoridades sem nunca ter medo de errar, de fazer algo inusitado. 

E onde, então, se localiza o Nenhum de Nós no cenário atual do pop rock brasileiro?

– Acho que ocupamos um lugar difícil de classificar, meio único – diz o guitarrista Veco Marques. – Nos tornarmos referência tanto pela nossa história quanto pela nossa música

Por Gustavo Brigatti

Novo disco do Iron Maiden já está pronto

Uma das bandas de metal com maior sucesso no mundo

Notas Musicais Thiago Lustosa 18 de junho de 2015 20:48h

Pouco mais de um mês após o anúncio de que o vocalista Bruce Dickinson está livre do câncer na língua, o Iron Maiden anunciou nesta quinta-feira (19) que seu próximo álbum de estúdio, intitulado "The Book of Souls", será lançado no dia 4 de setembro. A banda de heavy metal britânica já divulgou até a arte de capa e os nomes das canções. Com 11 faixas, ele será o primeiro disco de estúdio duplo do grupo.

"Nós estamos empolgados com 'The Book of Souls'", declarou Dickinson em um texto publicado no site oficial da banda. "Tivemos um momento fantástico criando [o disco]. Nós começamos a trabalhar no álbum no último verão de 2014 e o gravamos nos  estúdios Guillame Tell, em Paris, onde já havíamos feito o 'Brave New World' em 2000 –então o estúdio trouxe memórias especiais a todos nós. Nós ficamos felizes por descobrir que a mesma vibração mágica ainda está viva e muito presente lá! Portanto imediatamente nos sentimos em casa, e as ideias começaram a fluir de cara. Ao mesmo tempo que nós comcluímos [o disco] , todos concordamos que cada faixa era uma parte integral de todo o corpo do trabalho e que, se precisasse ser um álbum duplo, assim seria!"

Com o álbum já concluído há algum tempo, o Iron Maiden decidiu que adiaria o lançamento até que Dickinson estivesse totalmente livre do tumor que os médicos diagnosticaram em sua língua. Com suas 11 músicas, "The Book of Souls" tem 92 minutos de duração. Uma coisa que chama a atenção no novo trabalho é que as composições estão mais divididas entre os integrantes, com o baixista Steve Harris –que sempre foi o principal compositor da banda—assinando sete das canções, seis em parceria com outros músicos do Iron. Dickinson escreveu duas músicas sozinho e duas em parceria com o guitarrista Adrian Smith (veja abaixo a lista completa de faixas, com os créditos de cada).

"Várias das canções foram na verdade escritas enquanto nós estávamos no estúdio, e nós as ensaiamos e as gravamos enquanto ainda estavam frescas, e eu acho que o imediatismo realmente aparece nas músicas, elas passam quase que uma sensação de gravação ao vivo, eu acho", acrescentou Steve Harris.

"The Book of Souls" é o 16º disco de estúdio do Iron Maiden, após "The Final Frontier", lançado em 2010. Produzido por Kevin Shirley, parceiro de longa data da banda, o álbum também será disponibilizado em CD duplo, uma edição limitada de luxo com três discos de vinil e livro, além de versão digital em alta definição. A arte de capa foi criada por Mark Wilkinson, que já havia colaborado antes com o Iron Maiden, e traz Eddie, o tradicional monstro-mascote da banda, com um visual que lembra antigas tribos africanas. A banda planeja já sair em turnê para divulgar o trabalho no início de 2016.

Faixas de "The Book of Souls":

Disco 1

1."If Eternity Should Fail" (Dickinson)

2. "Speed of Light" (Smith/Dickinson)

3. "The Great Unknown" (Smith/Harris)

4. "The Red and the Black" (Harris)

5. "When the River Runs Deep" (Smith/Harris)

6. "The Book of Souls (Gers/Harris)

Disco 2

7. "Death or Glory" (Smith/Dickinson)

8. "Shadows of the Valley" (Gers/Harris)

9. "Tears of a Clown" (Smith/Harris)

10. "The Man of Sorrows" (Murray/Harris)

11. "Empire of the Clouds" (Dickinson)


Sony já está a procura de diretor para Bad Boys 3

Filme estrelado por Will Smith e Martin Lawrence

Notas Musicais Thiago Lustosa 17 de junho de 2015 20:14h

A Sony Pictures está sondando o cineasta Joe Carnahan como potencial direitor de "Bad Boys 3", sequência das comédias de ação "Os Bad Boys" (1995) e "Bad Boys 2" (2003), estreladas por Will Smith e Martin Lawrence.

O estúdio está em negociações com Carnahan para que ele reescreva um roteiro de "Bad Boy 3" feito por David Guggenheim (de "Protegendo o Inimigo"), mas também pensa lhe dar o cargo de diretor do filme, segundo o site Deadline.com.

Will Smith está atualmente nas filmagens de "Esquadrão Suicida", filme sobre uma equipe de vilões dos quadrinhos da DC Comics, no qual ele fará o papel do personagem Pistoleiro. Ele e Martin Lawrence devem voltar aos papéis dos policiais Mike e Marcus, respectivamente, em "Bad Boys 3". 

Tanto "Os Bad Boys" quanto "Bad Boys 2" tiveram direção de Michael Bay. Produzidos por Jerry Bruckheimer, ambos os longas tiveram sucesso quando foram lançados, com o primeiro arrecadando US$ 140 milhões e o segundo conseguindo US$ 270 milhões no mundo inteiro.

Carnahan dirigiu recentemente "Stretch" (2014), estrelado por Patrick Wilson, Ed Helms e Chris Pine, e também trabalha na TV, como produtor executivo das séries "Blacklist" e "State of Affairs".


Confira sinopse oficial do filme Batman Vs Superman

Filme estréia em março

Notas Musicais Thiago Lustosa 09 de junho de 2015 18:41h

Batman Vs Superman - A Origem da Justiça   ganhou uma sinopse oficial. Confira.

"Temendo as ações de um super-herói quase deus não controladas, o formidável vigilante de Gotham City assume o papel de salvador de Metrópolis, enquanto o mundo discute o tipo de herói que realmente precisa. E enquanto Batman e Superman estão em guerra, uma nova ameaça surge rapidamente, colocando a humanidade em um perigo que jamais conhecera"

O elenco de Batman V Superman: Dawn of Justice conta com  Ben Affleck  como Batman, Henry Cavill como Superman, Gal Gadot como Mulher-Maravilha, Ray Fisher como Ciborgue, Jason Momoa como Aquaman e Jeremy Irons como Alfred. Também estão no elenco Amy Adams, Laurence Fishburne, Diane Lane, Holly Hunter e Tao Okamoto, entre outros. Jena Malone foi confirmada no elenco e deve viver Carrie Kelley, a Robin, versão feminina do jovem super-herói

O filme estreia em 24 de março de 2016.


Saiu primeiro cartaz de novo filme de Tom Hanks e Steven Spielberg

Uma dupla que é sinônimo de sucesso nas telas

Notas Musicais Thiago Lustosa 05 de junho de 2015 18:53h

A trama segue a história real de James Donovan (Hanks), advogado americano que negocia a liberação do piloto Gary Powers junto à União Soviética. Powers foi capturado em 1960 após a queda de seu avião de espionagem em território soviético.

Alan Alda (M*A*S*H,  O Aviador ), Amy Ryan ( Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto ) e Billy Magnussen ( Boardwalk Empire ) também estão no elenco. Joel e Ethan Cohen  estão escrevendo o roteiro. Marc Platt assina a produção e o filme estreia nos EUA em 16 de outubro de 2015.


Bingo Beneficente por Emilly de 12 anos

Garotinha sofre de Leucemia Mileode Aguda

Notas Musicais Thiago Lustosa 28 de maio de 2015 21:57h

Esta é Emilly de Souza Rocha, ela tem 12 anos e está com leucemia mileode aguda (LMA), ela vai ter que fazer transplante de médula óssea, ainda vai ser feito testes nos familiares mas próximos pra ver se encontra alguém compatível se não der certo ela vai pra uma fila de espera.

Convidamos a todos para ajudar em seu tratamento que é realizado em Teresina toda semana, por isso, estamos realizando um bingo neste sábado dia 30/05 na capela de Santa Luzia no bairro Recreio ás 20h e contamos com sua participação neste momento de solidariedade e amor ao próximo..


Anunciado fim da Banda Catedral

Divulgado também um Dvd especial de despedida

Notas Musicais Thiago Lustosa 27 de maio de 2015 21:20h

A Banda Catedral foi um dos principais grupos evangélicos e foi o pioneiro a passar uma mensagem religiosa de uma forma mais sutil. Tanto é que por um período da carreira eles até desistiram do rótulo de “banda gospel” e ganharam o público secular.

Depois de 25 anos de estrada o trio resolveu gravar um vídeo dizendo que irá encerrar a carreira, porém lançarão um DVD em comemoração aos anos de trabalho e farão uma turnê visitando diversas cidades do Brasil.

O último trabalho da banda recebeu o nome de “Música Inteligente ao Vivo – 25 anos” e será distribuído pela Mess Entretenimento. “Tudo um dia tem que acabar e chegou o dia da Banda Catedral dar um tchau”.

A gravação do DVD será realizada em Recife (PE) no dia 13 de junho e em Belém (PA) no dia 20 de junho. Depois do lançamento deste trabalho o grupo visitará algumas cidades e encerrará de vez suas atividades.


Desenho clássico Jonny Quest vai virar filme

A muito tempo era esperado esta adaptação

Notas Musicais Thiago Lustosa 26 de maio de 2015 18:33h

O diretor Robert Rodriguez, de sucessos como "Um Drink no Inferno" e "Sin City" irá adaptar o clássico desenho animado da Hanna-Barbera Jonny Quest para os estúdios da Warner Bros.

Junto a Terry Rossio, cujos créditos variam entre os filmes como "Piratas do Caribe" e "A Máscara do Zorro", Rodriguez está reescrevendo o roteiro inicialmente escrito por Dan Mazeau. Rodriguez estará na direção.

Jonny Quest foi um dos desenhos que passava no horário nobre da rede ABC em 1964 e foi produzido pelo estúdio de animações Hanna-Barbera. Os sobrenomes são da dupla William Hanna e Joseph Barbera, criadores de personagens como Zé Colméia, Pepe Legal, Ligeirinho, Lippy & Hardy, Manda-Chuva, Herculóides, Flintsones, Jetsons entre inúmeros outros.

Jonny Quest parece ser direcionado a um público pré-adolescente conta as aventuras de Jonny, um menino que acompanha seu pai, o dr. Benton Quest, em missões globais. Com eles, em histórias que incluem robôs, múmias, bases submarinas secretas, estão sempre sua equipe de apoio: Hadji, um órfão de Calcutá, que é seu melhor amigo, seu cachorro Bandit e agente do governo e guarda-costas Race Bannon.

O filme estava próximo de ser lançado em 2010, com Zac Efron como Quest e Dwayne Johnson como Bannon.

O show durou apenas uma temporada e foi cancelado porque era caro para produzir, passou dar lucro nas décadas seguintes.

Comentário sobre Mad Max, Estrada da Fúria

Um filme de adrenalina total

Notas Musicais Thiago Lustosa 22 de maio de 2015 19:00h

Respire fundo. Sabe aquele som que a gente ouve quando abre o Skype? Aquilo. Se você só gosta de pequenos filmes íntimos, quietos, introspectivos, contemplativos, saia imediatamente da sala e peça seu ingresso de volta. Nada contra seu gosto, muito pelo contrário – é só que esta experiência cinematográfica é o oposto completo de tudo isso, e pode, quem sabe, provocar um infarto em você.

Mas se você não tem medo de filmes em grande escala, que pedem (pedem não, exigem sem desculpas ou mais ou menos) entrega total a uma experiência não muito diferente do transe…. Ah… fique aí na poltrona.

Mas antes respire fundo. Porque durante as próximas quase duas horas você vai ter a impressão de que é impossível respirar.

Eis o que George Miller fez com seu reboot de Mad Max : usou todos os recursos disponíveis hoje, 36 anos depois, para realizar por completo o que provavelmente era sua visão desde o final dos anos 1970. Ou seja, a exploração absoluta do movimento como linguagem, a imersão em um universo em que a visão, a audição e a emoção da platéia estão constantemente engajadas, desafiadas, perturbadas. São 11 câmeras, um balé absurdo de stunts e efeitos especiais nas horas certas (uma tempestade de areia que dificilmente vai sair de sua memória) a serviço do que Miller chama de “provavelmente a forma mais pura do cinema” : a ação.


Mad Max: Estrada da Fúria é, basicamente, uma única longa sequencia de perseguição, orquestrada como uma espécie de sinfonia audiovisual, pontuada por preludios e breves momentos de adagio entre os ataques de prestissimo con fuoco que são o coração mesmo da trama.

Há momentos em que nós, na plateia, pensamos que Miller perdeu a batuta e seu filme vai desabar no caos. Não sabemos nada, como Jon Snow. É no caos aparente que está o rigor de George Miller, onde ele encontra o poder mais profundo de seu talento e compõe maravilhas mais velozes e mais terríveis do que nossos olhos são capazes de ver. Na perseguição, na intensa e constante mobilidade dos exércitos em marcha pelo deserto pós-apocalíptico, personagens se chocam e conversam sem palavras, dizem quem são e sobre o que são com um olhar, uma caminhada, um gesto – e, num dos momentos mais emocionantes, o abrir de uma porta de um dos muitos veículos em alta velocidade

É difícil contar o que acontece sem estragar a experiência de viajar na Estrada da Fúria. Saiba só o seguinte: alguns anos depois dos acontecimentos de Além da Cúpula do Trovão, Max (Tom Hardy) continua assombrado pelos fantasmas de suas perdas, mas não quer mais vingança, apenas um tipo de paz que se parece com sobrevivência. Por artes da vida no mundo brutal da mitologia de Mad Max, seu destino se cruza com o da Imperator Furiosa (Charlize Theron), e ambos se vêem alvo da fúria de Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne) e seu exército de War Boys.

O que provoca, alimenta e resolve essa guerra em movimento é também o que dá um destino à ação desenfreada de Estrada da Fúria: ideias sobre a corrupção do poder em todas as esferas, do meio ambiente aos sexos. Miller conjurou todos os elementos do que o cinema de ação tem de melhor e lhes deu um sentido.

Mais não digo. Vão ver, no melhor cinema que puderem encontrar. Se puderem, vejam duas vezes – eu só percebi a completa elegância do caos de George Miller depois da segunda vez. Da primeira vez você se sente mais como alguém que levou uma voadora na pleura- e adorou.

E não esqueçam de respirar



Por Ana Maria Bahiana

Novo disco de Gal Costa sai segunda feira 25/05

Uma das melhores cantoras da musica brasileira

Notas Musicais Thiago Lustosa 22 de maio de 2015 18:47h

Com novo disco de estúdio nas lojas na próxima segunda (25), Gal Costa se diz fascinada por recomeços. Foi assim, se reinventando, que se uniu a Caetano Veloso para moldar "Recanto", em 2011, espécie de resgate estético de sua cultuada fase tropicalista, maior ruptura em décadas.

E é também dessa maneira que ela parece definir o espírito do novo "Estratosférica", aqui apegando-se ao espaço físico que habita. "Sempre digo que este momento é de recomeço para mim. E estar aqui significa isso. São Paulo é o começar. O começo e o recomeço", filosofa a "paulista-baiana".


Com produção de Alexandre Kassin e Moreno Veloso, o álbum é musicalmente mais "moderado" que o predecessor, mas nem por isso deixa de soar atual. Mistura composições da nova (Marcelo Camelo, Mallu Magalhães, Criolo, Céu) e antiga gerações (Tom Zé, Milton Nascimento, Caetano, Johnny Alf) da música brasileira.

Com um olho à frente e o outro no retrovisor, Gal precisou aprender a conversar com a nova geração de fãs. Gente moderna, interessada principalmente em sua época mais anárquica, de 1969 a 1972, que rendeu clássicos como "Legal" e "Fa-Tal - Gal a Todo Vapor".